terça-feira, julho 22, 2014

Duas afrmações curiosas de Putin

Expliquem-me, por favor, esta lógica. A Rússia não tem ameaças externas, mas tenho uma perigosa  ameaça interna?
Se não há ameaças externas, a que se deve a ingerência russa no conflito, é preventiva?

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou que “hoje, não existe qualquer ameaça militar, ameaça à soberania, à integridade territorial do país”.

A garantia disso é o balanço estratégico de forças no mundo”, assinalou o chefe de Estado numa reunião do Conselho de Segurança da Rússia.
Putin reafirmou que a Rússia “respeita rigorosamente as normas do Direito Internacional, os seus compromissos perante os parceiros”.
Ele espera que também os outros países irão ter em conta os interesses nacionais da Rússia e que as questões litigiosas serão resolvidas por meios jurídicos.
Em: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_07_22/Putin-considera-que-hoje-n-o-h-amea-as-soberania-da-R-ssia-6705/

                   -----------------------------------------------------------

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou a lei federal “Sobre alterações no artigo 2801 do Código Penal da Federação Rússa”.

Segundo a página oficial do Kremlin, a lei foi aprovada com intuito de aumentar a responsabilidade por atos previstos no artigo 2801 do Código Penal da Federação da Rússia “Apelos públicos à realização de ações com vista a violar a integridade territorial da Federação Rússa”.
Em conformidade com a lei, sobe a pena máxima prevista no citado artigo.
Trata-se de trabalhos obrigatórios até três anos, ou de prisão de quatro a seis meses. Foi também aumentada a pena de prisão de três até quatro anos com a privação de ocupar determinados cargos ou de dedicar-se a uma certa atividade durante o mesmo período.
Pelos mesmos atos realizados com o emprego de órgãos de comunicação ou de redes eletrônicas ou de telecomunicação, incluindo a Internet, propõe uma pena suplementar sob a forma de privação do direito de ocupar determinados cargos ou de dedicar-se a certa atividade até três anos.


Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_07_22/Putin-considera-que-hoje-n-o-h-amea-as-soberania-da-R-ssia-6705/

13 comentários:

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Você tem que se acalmar. Estes seus artigos roçam o histerismo.

Porquê fazer tanta confusão? Porque ver tudo desta maneira?

Apesar do que acontece na Ucrânia,
algúem vai bombardear a Rússia? Alguém vai fazer um "regime change"?

Temos uma guerra eminente em território russo?

Não.

Agora o resto? o resto é um braço de ferro geopolítico, onde os grandes se degladiam.

O palco escolhido agora é a Ucrânia. Esta nunca deveria ter seguido interesses de terceiros, mas sim o seu interesse.

Agora estamos nisto.

É impressionante a sua visão da coisa. Deveras impressionante.

Diria que está a fazer a sua parte, na guerra contra a Rússia.

Como é possível tal visão radical sobre o assunto.

Não veja tanta televisão que isso faz-lhe mal.

Pare para respirar e pensar nas coisas. Não viva a coisa dessa maneira.

José Milhazes disse...

Quais artigos, trata-se de declarações de Putin. Você acabou agora de almoçar ou está a tomar o café?
PM,bem diz o povo: acabam os argumentos, começam os insultos.

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Não me esteja a dizer que são declarações de Putin.

É a sua interpretação do que lê/ouve.

Quanto a argumentos, meu caro, tenho para dar e vender e não preciso de recorrer a insultos. E nada do que disse pode ser considerado um insulto. Você está demasiado agressivo.

Sente-se nessa cadeira, respire fundo e diga lá que argumento quer rebater.

Este seu post não faz sentido. Mas o que se passa consigo?

José Milhazes disse...

PM, peço desculpa, mas você não vê aspas e não vê que os artigos foram publicados na Voz da Rússia? Foi mesmo o café que lhe fez mal!

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Questiono o que diz no seu artigo, o que escolhe para dizer. Existe demasiado "ruido" na imprensa, em declarações oficiais, enfim é uma guerra entre os grandes.

Também, não se tira grandes informações nos seus posts, são demasiado revoltados, não são informativos e não são possíveis de ser rebatidos, dado as poucas vezes que é possível colocar um comentário.

Por isso digo, pare para pensar, você está demasiado envolvido, a meu ver não está a pensar com clareza, está demasiado próximo.

É a minha opinião sobre si, não estou com o intuito de o insultar, estou a querer chamá-lo a atenção, espero que compreenda o que estou a dizer.

Se tivessemos todos reunidos, eu visualizo o JM, a gritar, a esbracejar e a dar murros na mesa. Se estivermos todos assim, meu caro, pouco ou nada se vai aproveitar.

certo meu caro?

Não estou a querer insultá-lo, estou a tentar falar consigo.

ANTI-COWBOY disse...

Parece-me claro que não existe no momento qualquer perigo de uma invasão de território russo por parte de nenhuma potência nem mesmo os EUA.Agora há com evidência uma estratégia de complicar a vida aos russos que representam hoje uma ameaça aos interesses do imperialismo americano.E quando falo em imperialismo americano falo em grandes interesses económicos e financeiros.Quando eles começam a estar ameaçados os EUA tentam complicar a vida a quem os pode eventualmente prejudicar.E a América já percebeu que a criação dos BRICS podem vir a complicar esses interesses instalados.Portanto os EUA não atacarão militarmente de forma directa a Rússia porque isso seria o princípio inevitável de um conflito mundial de grandes proporções que a América não quer.Aliás nesta situação da Ucrânia os EUA só falam de sanções e mais nada e com muitas cautelas mesmo assim.Não devemos esquecer que existe uma outra Organização muito importante chamada de Cooperação de Xangai que não deixa de ser uma frente defensiva a qualquer pretensão de ataque militar por parte da Nato,grosso modo,aos países da CEI e à China evidentemente.A China tem uma fronteira muito grande com a Rússia que quer,também por isso,ter boas relações com ela.Até porque a própria Rússia é um grande tampão geográfico a uma hipotética invasão da China.Portanto hoje em dia esqueçamos uma confrontação entre EUA de um lado e Rússia/China do outro.Era catastrófico um confronto directo que desencadearia uma guerra nuclear que ninguém quer.E ainda para mais o JM sabe que mesmo um confronto de guerra clássica entre estes dois blocos seria catastrófico para a Europa.Sabe que a China tem um exército regular,digamos profissional, de cerca de 3 milhões de pessoas mas pode mobilizar,em caso extremo entre 200/250 milhões de pessoas para uma guerra geral.A Índia tem a mesma capacidade mobilizadora.Já viu o que era uma invasão clássica de russos,chineses e até eventualmente indianos à Europa.Era o desaparecimento de todos nós e falo de guerra no terreno.Esqueça portanto qualquer guerra deste tipo.Todos eles sabem disto.Portanto as guerras são hoje diferentes e o que se passa na Ucrânia é um exemplo disso dentro do quadro traçado por Kennedy e seus conselheiros militares e também por Henry Kissinger das guerras por um lado limitadas (Vietname,Iraque,Líbia e esteve para ser a Síria) e por outro o uso de forças por parte de empresas militares privadas que é o que pode vir a ser usado na Ucrânia eventualmente, e mesmo assim num estádio mais avançado que não este a que assistimos.Os EUA provocam estas situações.São quase profissionais nisso.Mas a Rússia está altamente preparada para esse tipo de conflitos.E quando os há,e sabemos como começou tudo isto em Maidan,os russos aproveitam as situações para criarem as melhores condições em defesa dos seus interesses legítimos.É essa a "guerra" que se está a preparar a menos que a América recue.Já disse várias vezes que a Rússia não quer nem cercos geográficos nem a Nato muito perto do seu território que tem grandes fronteiras ao contrário dos EUA que só têm mar,o Canadá e o México.A questão põe-se portanto,a meu ver, dentro destes parâmetros.A haver guerra na Ucrânia dentro dos limites que tracei a Rússia sairá vencedora dizimando economicamente a Ucrânia que não tem agricultura,neste momento,que possa competir com a Europa até porque os campos foram amplamente abandonados,nem tem uma indústria metalomecânica que também possa competir com a Europa.Todos sabem disso e a Rússia quer assistir à derrocada económica completa da Ucrânia que não vai ter da Europa o apoio que julga.Portanto vai ficar a ver e a intervir quanto baste para manter o status quo que marchará ao ritmo que a América quiser ou não.Para a Europa é que isto não é bom porque se as coisas se complicarem e isso depende apenas dos EUA,podemos vir a ter uma guerra clássica na Europa que atrás referi e que será desastrosa para ela e para o ocidente em geral.

Anónimo disse...

Muito clarificador este artigo de Anne Applebaum


http://www.slate.com/articles/news_and_politics/foreigners/2014/07/malaysia_airlines_flight_17_crash_reveals_a_true_war_vladimir_putin_sowed.html

Anónimo disse...


Do blogue "Flagelo Russo"


http://flagelorusso.blogspot.de/2014/07/missil-que-mata-mas-esclarece.html#comment-form

nuno_inzaghi disse...

faca este raciocinio. imagine que havia um golpe de estado no mexico em que o novo regime era anti americano e incitado pelos russos e que no mexico "que faz fronteira com os EUA" viviam 7 milhoes de americanos acha mesmo que a america ia ficar de bracos cruzados?

Carlos Caseiro disse...

http://www.bemparana.com.br/noticia/337908/parlamento-da-ucrania-aprova-mobilizacao-de-soldados-reservistas

Jonatan Souza disse...

http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2014/07/quase-300-mortos-em-aviao-e-quase-500.html?m=1

Leonel Santos disse...

JA, tem razão!

Se existe algum histerismo, esse está na propaganda russa, que já ultrapassou, em largo, a fantasia de Tariq Azia, há 11 anos.

Deixemo-nos de palavras brandas. A Rússia invadiu e fez ocupar e desestabilizar parte de um país terceiro. Colocou como seus homens de mão uns delinquentes,toxicodependentes e pornógrafos, a pretexto da defesa de uma moral impoluta. Essa gentalha já nem pudor tem em reclamar o derrube de um avião civil, como aliás os titushky também não tiveram em se orgulhar de andarem drogados, de armas na mão, fornecidas pelo pulha do Yanukovitch, em Fevereiro último, pelas ruas de Kiev.

Que a União Europeia é um fiasco, isso é claro; mas que a Rússia é mais que uma ameaça a um modelo de paz e prosperidade, isso é de uma transparência absurdamente cristalina.

A Ucrânia está na linha da frente da defesa de um modelo de mundo que é o nosso, enquanto europeus. O nosso virar de costas só serve para nos envergonhar.

Uma última palavra para os mentecaptos que escrevem atrocidades à inteligência, aqui: larguem o conforto da conversa de café, façam o que eu fiz, vão à Ucrânia, vivam lá 6 meses e depois escrevam o que quiserem. Cresçam e apareçam, meninos!

Anónimo disse...

E o ataque vil e infame à Geórgia foi em nome de que razão? Com a crescente aproximação georgiana à UE Putin diz que tomará medidas defensivas!? Que eu saiba a Geórgia é soberana e decide a quem se aliar conforme entender