quinta-feira, setembro 25, 2014

Aliança impossível de EUA com a Rússia no combate ao “Estado Islâmico”



Não obstante os terroristas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante terem também ameaçado a Rússia e o próprio Presidente Putin, este não se apressa a juntar à coligação internacional que luta contra o ISIS, pois parece recear que o objectivo dos Estados Unidos e seus aliados seja derrubar o regime sírio de Bashar Assad à sombra do combate aos jihadistas.
Numa conversa telefónica com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o Presidente russo defende que, nas operações contra o ISIS na Síria se “deve respeitar o Direito Internacional” e os bombardeamentos aéreos nesse país só deverão realizar-se com o “consentimento do governo sírio”.
Tendo em contra que Washington e os seus aliados deram ouvidos a Putin quando este evitou a invasão da Síria a troco da entrega das armas químicas por Damasco à comunidade internacional, poder-se-ia pensar que também desta vez será possível chegar a um acordo, mas tal não deverá acontecer. Isto porque, ao espezinhar o Direito Internacional na Ucrânia com a anexação da Crimeia e o apoio aos separatistas do leste do país, o Kremlin perdeu o direito de dar lições de moral aos outros, se é que já não tinha perdido esse direito quando da guerra na Chechénia ou da invasão da Geórgia.
E, pelos vistos, os EUA e os seus aliados irão resolver os problemas da Síria e do ISIS à sua maneira, enquanto que a Rússia irá continuar a sua política no país vizinho, embora com mais êxito. O conflito entre Kiev e os separatistas pró-russos está a caminho do congelamento, o que permitirá a consolidação dos poderes nas regiões separatistas e a criação de uma situação como a que existe na Transdnistria em relação à Moldávia. Isto se Putin não avançar ainda para a conquista de corredores para ligar a Rússia à Transdnístria e à Crimeia.

Nesta situação, é difícil esperar uma coordenação de acções entre a Rússia e a NATO face a qualquer problema mundial, a não ser que a Terra seja invadida por extraterrestres. E mesmo assim...  

22 comentários:

Anónimo disse...

Então JM onde estão os seus principios de respeito pela lei e pelo direito ? Agora já utiliza o argumento se os outros fazem eu tambem o vou fazer. O que faz de si diferente daqueles que voçê critica?
Que bom saber que voçê acha que os eua vão resolver os probelmas do isis. Creio que o problema deles é falta de armas para derrotar o estado Sírio. Por isso os eua ja estão lançado as bombas humanitarias com a semente da democracia liberdade e faternidade com a qual vimos o Iraque florescer neste anos e a Líbia tambem. Por isso fecham os olhos ao facto (como noticiado na bbc) da venda do petroleo e gas avaliado em 757 mil euros por dia pelo isis a israel e a turquia aliados de washington que financia estes terroristas ameaça terrivel ao mundo ocidental mas bons rapazes na oposição Siria mas que teem de ser atacados por serem maus para nos mundo ocidental.
Voçê deveria colocar artigos com mais frequencia pois tras-me bom humor ao fim do dia e dou por mim a rebolar de tanto rir com suas palavras. Hoje não resisti a utilizar o seu estilo e escrever este texto bem ao seu estilo que espero lhe sirva de inspiração. Desejo-lhe uma exelente noite e que amanha tenhamos mais palavras suas.
Despeço-me com mais uma valente gargalhada LOL

chukcha disse...

P.S. Perdoem-me as falhas comunicacionais, e duplos posts, etc. e tal, mas aqui na Venezuela Chavista, onde me encontro por motivos laborais, apesar de haver papel higienco e carne a rodos (sim, por 2 € 200 Bs. podem-se comprar 136 rolos de pael higiénico, dupla folha, diga o que diga a Comunic. Soc.), as comunicações não são grande coisas!

Hugo Dionisio disse...

Mais uma ingenuidade do Sr. Milhazes... Na sua ânsia doentia de atingir Putin, de repente esquece-se de onde vem e para onde vai aquilo a que se chama Estado Islâmico. Contudo, ao contrário do esquecimento de milhazes, quem estuda e investiga estas coisas, sabe quem criou o ISIS, ISIL ou estado islâmico. Sabe que armou o exercito de libertação sírio e sabe que o ISIS e os teroristas do Al-Nusrah faziam parte da coisa. Quem anda na net e vê a verdadeira comunicação social e não a a"propaganda média" para quem JM trabalha, sabe que o ISIS foi financiado por aqueles que hoje dizem combatê-lo. Sabe também que o ISIS não é mais do que um cavalo de tróia para levar a guerra contra Assad e sabe que o ISIS não é mais do que o pretexto para reocupar um Iraque xiita, próximo ao Irão (apoiado pela Rússia) e que se negou a ser mais um Afeganistão. Quem se interessa por política Internacional sabe que se os EUA quisessem correr com o ISIS, apoiavam o exercito Iraquiano e o exército Líbio, ao invés de, mais uma vez, invadirem países soberanos e armarem milícias que, mais tarde, tentarão colocar em causa a estabilidade destes países. Numa lógica de "caos criativo controlado" os EUA prosseguem o seu trabalho de domínio imperial. Se fosse o Putin a fazer isto, ai Jesus que o Milhazes até as entranhas lhe comia. Como são os EUA e a a UE, Nato e companhia a, mais uma vez, agirem sem mandato da ONU, tudo bem! Tudo em casa! Que raio de lógica é essa Sr. Milhazes? Quem pensa que está a enganar? Andamos a brincar, a manipular ou a informar? Revisionismo histórico? Depois venha-me falar do Estaline. Tem graça! E o mau é o Putin! (que o é, mas não é pior que os outros que você protege, branqueia e apoia)! Se a Rússia combater o ISIS, fá-lo-á através de Assad que é a manobra mais séria, consequente e mais susceptível de levar a paz à região. Algo que os seus EUA não querem e você sabe-o muito bem!

Hugo Dionisio disse...

Ah. Sobre as valas comuns da Guarda Nacional Ucraniana, esses nazis apoiados pelos seus amigos dos EUA, sobre esse crime hediondo (mais um), nem uma palavra. Mais uma vez... Bem, nem vale a pena continuar, porque cada um escolhe o seu caminho pelas valas, caminhos e cabras e barrancos que quiser. As curvas, contra-curvas e buracos dão tanto jeito!

Jonatan Souza disse...

http://gilsonsampaio.blogspot.com.br/2014/09/a-russia-da-o-golpe-de-misericordia.html?m=1

antónio m p disse...

O José Milhazes faz bem em escrever as coisas que escreve e da forma como o faz. Ao menos, assim, de tão assumidamente incongruente, já não engana ninguém.

Mas tenha cuidado para não parecer ridículo. Como quando diz que "o Kremlin perdeu o direito de dar lições de moral aos outros". Desde quando é que, na sua opinião, isso acontece? Se é desde sempre, a frase não faz sentido... Mas isso é o que menos o preocupa, já disse.

PortugueseMan disse...

E, pelos vistos, os EUA e os seus aliados irão resolver os problemas da Síria e do ISIS à sua maneira...

Ou não. A Rússia pode ter uma palavra a dizer.

A Rússia tem dado um apoio considerável a Assad, e não sei se este subterfúgio que arranjaram para bombardear a Síria, vá sem resposta.

E sim, Rússia continua a ter capacidade de resposta, meu caro. Ou pensa que andam a deambular de supermercado em supermercado cheio de prateleiras vazias por causa das temíveis sanções?

Postanto, vamos a ver até onde vão cair as bombas. se começam a cair nos locais "errados", se calhar não serão só os rebeldes sírios que vão "achar" armas nas dunas...

Jonatan Souza disse...

http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_09_27/Cartaz-com-apelo-a-Obama-colocado-em-frente-embaixada-dos-EUA-em-Moscou-9419/

Jonatan Souza disse...

Valeu pelo"capacete"kkkk.

Carlos Carapeto disse...

José Milhazes foi a Rússia que criou o problema do Médio Oriente ?

E porque razão tem que intervir numa situação em que nada, absolutamente nada contribuiu ?


Por favor se não é seu habito respeitar-se a si próprio tenha ao menos a dignidade de respeitar aqueles a quem dirige os seus comentários.

Anónimo disse...

Justino disse:

Tendo em conta, como ficou demonstrado até à náusea no Vietnam e Laos, que nenhuma guerra se ganha apenas com uma supersónica aviação lançando megatoneladas de bombas, agentes laranja, napalm, fósforo, mísseis ar-terra e demais parafernália exterminadora, ainda mais quando os adversários ( EI - estado islâmico) se misturam entre os reféns e a população local, fanáticos seguidores da “sharia” que acreditam que com o seu sacrifício terão direito a 72 virgens no paraíso ( as quais, pelo seu número, certamente não poderão conservar a virgindade por muito tempo), sem falar no competente treino militar e armamento concedidos nomeadamente pelos ocidentais e estados árabes aliados no afã de derrubar o regime sírio de Assad, parece elementar conceder que a aliança mais viável para derrubar o EI será aquela que pode assentar as “boots” no terreno, ou seja, a Síria que já acumula a dura experiência e “know how” e o Irão xiita vizinho e próximo do governo do Iraque.

Neste jogo a Arábia Saudita comporta-se como um agente duplo ou não fosse sauditas os tripulantes dos aviões do 11/9, e a Turquia não verá com bons olhos o protagonismo e crescendo curdo.

Tal como Obama, por maioria de razão Putin nunca iria colocar as suas “boots” num atoleiro criado pela inteligência político militar americana da era Bush em que se transformou o Iraque. Apoiaria militarmente a Síria o que já acontece, e o Irão na cruzada contra EI. E experiência também não falta a Putin que lidou com radicais islâmicos na Chechénia com aparente sucesso. Caso a Rússia fraquejasse na Chechénia muito provavelmente este território estaria hoje transformado num santuário de toda a sorte de milícias islâmicas a exportar o califado à euroásia e a programar mais acontecimentos como os de 11/9, como uma reposição do Afeganistão da Alqaeda.

Se agora interessa às potências ocidentais travar o EI no Iraque como censurar Putin de ter feito o equivalente na Chechénia ?

Chechénia está melhor sobre a autoridade da Federação Russa a que pertence ou sobre o caos que se segue às designadas primaveras ( parecem mais invernos) árabes ?

Eis as questões que muito gostaria que JM tivesse a bondade de nos elucidar para melhor compreender o seu texto.

Jonatan Souza disse...

http://portrasmidiamundial.blogspot.com.br/2014/09/mais-dois-politicos-sao-jogados-no-lixo.html?m=1

Jonatan Souza disse...

http://juliosevero.blogspot.com.br/2014/09/kremlin-realiza-encontro-internacional.html?m=1

Jonatan Souza disse...

http://juliosevero.blogspot.com.br/2014/09/midia-russa-trata-como-lixo-conferencia.html?m=1

Jonatan Souza disse...

http://theriseofrussia.blogspot.com.br/2014/09/russian-victory-in-novorossiya-as-new.html?m=1

Manuel Pires disse...

O Sr. Milhazes deve pensar que somos todos anguinhos e que comemos todos a propaganda que nos entra em casa através das televisões controladas pelos interesses americanos, segundo a qual os americanos estão a combater o estado islâmico.

Pois bem, meu caro, você sabe bem que as coisas não são assim.

O ISIS não passa de uma criação americana que visa a reformulação do mapa do medio oriente, os seja, o objectivo é retalhar o Iraque e criar o Curdistão, e retalhar a Siria que é um aliado dos Russos.

O ISIS está a ser usado como ferramenta da limpeza étnica no Iraque de modo a criar um estado iraquiano sunita, um estado iraquiano xiita e um estado curdo no norte.

Quem poderia fazer este trabalho sujo que não os extremistas do ISIS?

Na Siria o ISIS está a combater a o Assad, que foi para isso que lá foi metido depois do falhanço do Exercito Sírio Livre.

O objectivo é para criar um estado fantoche sunita no norte da Síria que permita fazer o cerco ao Libano e ao Hezbollah, aliados dos Russos, dos Sírios, dos Palestinianos e dos Iranianos, bem como permitir o escoamento do petróleo curdo e iraquiano para o mediterrâneo.

Cá para mim o Putin vai estragar de novo a festa aos americanos porque não está para perder Tartus e não tarda nada estão lá os S-300 plantados na Síria.

Sr. Milhazes, deixe de debitar deste tipo de contra-informação porque as pessoas estão devidamente informadas.

Jonatan Souza disse...

http://infoborona.org/2014/09/25/dobrovolec-iz-brazilii-voyuet-pod-komandovaniem-mozgovogo.html

Jonatan Souza disse...

http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/09/o-imperio-anglo-sionista-esta-em-guerra_30.html?m=1

Jonatan Souza disse...

http://noticia-final.blogspot.com.br/2014/09/o-imperio-anglo-sionista-esta-em-guerra.html?m=1

Jonatan Souza disse...

O que geopolitica e religiosidade tem em comum e o que podemos aprender com ambas http://juliosevero.blogspot.com.br/2014/10/entrevista-com-don-hank-interpretando-o.html?m=1

Pippo disse...

A Rússia perdeu o direito de dar lições de moral aos outros???
Este JM... é só rir!
Então diga-me lá, e quando a Rússia podia dar lições de moral, alguém foi às aulas, alguém acatou a lição? Ou será que os prospectivos "alunos" gozaram com a cara do "professor"?

Durante anos a Rússia tentou controlar o espaço que lhe era próximo e manter a legalidade no resto do Mundo; outros países, ao invés, tentaram controlar o espaço próximo à Rússia e violaram gravemente a legalidade no resto do Mundo.
Acha que depois de lhe tentarem fazer a folha N vezes a Rússia iria continuar a importar-se com "lições de moral"? Que se lixe a moral! Agora há é que ensinar a realidade!

PS - Os EUA&Friends irão lidar com o ISIS? Vão cortar-lhe o financiamento? Vão acabar-lhe com a doutrina teológica?
Os EUA criaram ali mais um Afeganistão e agora não sabem bem o que fazer. E um dia terão de se ir embora... e os outros ficarão lá.

Jonatan Souza disse...

http://republicadigital.blogspot.com.br/2014/09/estrategia-dos-eua-para-armar-os.html?m=1