sábado, janeiro 24, 2015

Separatistas pró-russos lançam ofensiva contra Mariupol


Na foto: o embaixador da morte do Kremlin no Leste da Ucrânia. 

Em Mariupol, cidade do Sul da Ucrânia, um ataque de artilharia, matou pelo menos 21 pessoas e 86 ficaram feridas. Dneis Puchilin, vice-presidente do Parlamento da região separatista de Donetsk, veio outra vez com a história de que o ataque foi feito pelas tropas ucranianas como "mais uma provocação", mas Alexandre Zakhartchenko, dirigente dessa mesma "república", acaba de afirmar (cita pela agência de propaganda do Kremlin Ria-Novosti) que afinal os separatistas pró-russos "lançaram uma ofensiva contra Mariupol". 
Os separatistas pró-russos estão a utilizar artilharia pesada, dezenas de tanques e o Kremlin continua a afirmar que não está envolvido, nem tem nada a ver com o conflito. Volta a colocar-se a pergunta: onde é que os separatistas compram material de guerra tão sofisticado? 
Claro que alguns virão dizer que se trata de material capturado às tropas ucranianas, mas não queiram fazer de todos nós estúpidos. Repito, os separatistas combatem porque o Kremlin quer, o resto é propaganda.
O deputado russo Konstantin Kosatchov, dirigente do Comité de Assuntos Internacionais da Duma da Rússia, já veio dizer que a Rússia não abandonará os habitantes da Transdnístria, enclave separatista pró-russo na Moldávia. Basta olhar para o mapa para compreender que o objectivo de Vladimir Putin é separar da Ucrânia os territórios que permitirão à Rússia ter um corredor terrestre com a Crimeia e a Transdnistria. 

5 comentários:

Nuno Rolo disse...

Uma questão se continuar esta guerra vai se alastrar para países da região?

José Milhazes disse...

Nuno, todos os cenários são possíveis. Resta saber até onde irá Putin.

Nuno Rolo disse...

Pois mas se continuar alastrar irá colocar a paz na Europa em causa acha que é do interesse de Putin um conflito em larga escala, a Rússia esta preparada para um cenário dessa envergadura?

Anónimo disse...

Voenterg, nao se abre ao fim de semana.

a demonizacao continua, incrivelmente, sempre que as coisas nao correm bem para Kiev.

Carlos Carapeto disse...

José Milhazes.

Uma pergunta muito séria (sim porque esta questão deve ser tratada com muita seriedade).

Mas foi Putin quem despoletou o conflito na Ucrânia.

Foi Putin quem gastou milhares de milhões de dólares para afastar um presidente democraticamente eleito?

Eram enviados de Putin aqueles que estiveram na Maidan ombro a ombro com nazis assumidos encorajando-os a provocar distúrbios violentes?

Foi Putin quem continuou a dar apoio de toda a ordem ao bando de gângsteres que se instalou em Kiev?

Foi Putin quem negou autonomia e o direito ao uso da língua materna às minorias do país? Romenos, Húngaros, Polacos, Checos, Russos, e outros!

O José Milhazes parece que ainda não compreendeu que a Ucrânia foi morta na Maidan e sepultada em Odessa.

A guerra no Donbass é o inicio da disputa por a partilha dos despojos da Ucrânia.

Não tem prestado atenção às declarações de Victor Orban acerca dos direitos da minoria Hungara?

A forma como Porochenko foi recebido em Lvov?

É distração a mais para alguém que precisa estar bem informado.