quinta-feira, março 05, 2009

Estaline continua a dividir sociedade 56 anos depois da morte


No dia em que se assinala o 56º aniversário da morte de José Estaline, ditador comunista que dirigiu a União Soviética entre 1924 e 1953, os comunistas depositam flores na sua campa, enquanto que defensores de direitos humanos e políticos democráticos exigem que a sua política seja condenada.
Cerca de 600 apoiantes do Partido Comunista da Federação da Rússia, dirigidos pelo seu chefe Guennadi Ziuganov, depositaram hoje coroas de flores no túmulo de Estaline, na Praça Vermelha de Moscovo.
“Até o tempo saúda este dia”, declarou Ziuganov aos jornalistas, num dia de sol na capital russa.
“A política de Estaline e de Lenine estava extremamente correcta… Hoje, podemos com confiança prestar homenagem a Estaline, como faz muita gente no país. Todo o planeta precisa hoje de um novo Estaline, de um novo Lenine”, frisou.
Arseni Roguinski, dirigente da organização de defesa dos direitos do homem “Memorial”, reagiu às palavras de Ziuganov declarando: “Isso não pode ser levado a sério. A política de Lenine e de Estaline conduziu ao extermínio de milhões de pessoas. Os seus crimes são tão enormes que nenhuns serviços, que o senhor Ziuganov atribui a esses políticos, poderão fazer mudar o fiel da balança a favor deles”.
Ludmila Alexeevna, dirigente da organização Grupo de Helsínquia, chama a atenção para o aumento da popularidade do ditador na sociedade russa.
“Preocupam-nos os dados dos sociólogos: aumenta a popularidade de Estaline entre a juventude, que não o conhece, que não conhece a sua época, e entre as camadas pouco cultas da sociedade”, precisou ela aos jornalistas.
Ludmila Alexeevna apela ao lançamento de um programa estatal com vista à “desestalinização”, para que os cidadãos conheçam as dimensões das repressões e do terror na URSS.
“Sem isso, não nos poderemos desenvolver”, frisou.
A primeira edição do concurso televisivo “Nomes da Rússia”, que visava determinar a personalidade mais popular do país, foi anulado pelos organizadores quando estes constataram que Estaline iria ser de longe o vencedor, atribuindo esse facto a uma votação em massa dos comunistas, mas, na segunda edição, o ditador soviético conquistou o terceiro lugar.
Uma sondagem realizada no ano passado mostrou que 42 pc dos interrogados consideraram “positiva” a actividade de Estaline.
Partidos democráticos como o Iabloko e a Causa da Direita consideram ser necessário perseguir judicialmente aqueles que “justificam as repressões estalinistas”.
“O silêncio do partido dirigente, que não considera o governo de Estaline um genocídio, determina significativamente a via histórica da actual Rússia”, lê-se num comunicado da Causa da Direita.
“A direcção de Estaline trouxe ao país, ao nosso povo, dezenas de milhões de vítimas directas, é a fonte da actual crise demográfica, da pobreza, do atraso da nossa economia, da democracia e do parlamentarismo”, considera essa organização.
Nos últimos tempos, o Kremlin tem também sido acusado de pretender reabilitar a figura de Estaline, nomeadamente através da publicação de livros escolares onde se justificam as purgas realizadas pelo regime comunista.

81 comentários:

Ricardo disse...

Primeiro acho acho um tremendo erro colocar Stalin e Lênin no mesmo "saco", são personalidades diferentes e agiram de forma diferente, Stalin teve seus pontos positivos realizando uma forte e maciça industrialização da URSS e teve seu lado negativo que todos conhecem dos espurgos, perseguições, etc. É dificil saber ao certo quantas pessoas de fato ele matou, já que o ocidente tem a mania de infla numeros quando lhe interessa. Quanto a crise demografica na Rússia é curioso por a culpa em Stalin mesmo porque essa crise só começou depois do fim do comunismo e inicio da era capitalista, o mesmo para o numero de suicidios entre os russos. A URSS teve por assim dizer seus "podres" e pontos negativos, mas também teve muitos pontos positivos como o fim da miseria na Rússia, 100% da população alfabetizada, sem fala nos feitos tecnologicos, se a Rússia hoje possui tecnologia espacial a anos luz a frente da UE e sÓ comparavel a dos EUA foi graças a era soviética, sem falar no seu gigantesco arsenal militar, sem o peso tecnologico e militar a Rússia seria um Brasil 2; grande com potencial, mas que ninguém respeita, leva e tem um peso quase zero no cenário internacional.

Anónimo disse...

Stalin, foi um grande homem. Um georgiano que conseguiu organizar um povo historicamente selvagem e avesso à cultura e ciência.
Bom, isso já é tradição nesse país: ser governado por líderes estrangeiros. Desde a dinastia Rurik, passando por Catarina e Stalin.



Marra

Jest nas Wielu disse...

“se a Rússia hoje possui tecnologia espacial a anos luz a frente da UE e sÓ comparavel a dos EUA foi graças a era soviética”


Acho lindos os comentários deste tipo, se a URSS foi isso e aquilo ... , foi graças ao comunismo, etc. Expliquem pf, graças ao que os EUA tem TUDO isso e muito mais sem a presença do comunismo? Porque hoje em dia o Portugal, país de longe, não o mais rico da Europa, tem a nível da vida da população em geral maior do que a Rússia (por alguma razão mais de 5.000 russos, dados do SIF, residem em Portugal).

tiagopereira disse...

Caro Ricardo,

Lenine e Estaline são postos no mesmo saco e muito bem. Tem sido hábito na URSS/Rússia santificar Lenine e culpabilizar Estaline por todos os males (isto começou com a "destalinização" iniciada por Khrushev), o que é completamente falso. Lenine tinha tanta falta de escrúpulos como Estaline. Não esqueçamos que foi ele quem fundou a Cheka, começou as perseguições políticas e os campos de trabalho forçados do GULAG. De acordo com os seus mais próximos colaboradores Lenine era um mestre da intriga e constantemente voltava as pessoas umas contra as outras. Estaline refinou esta técnica e utilizou a rivalidade pessoal como principal método de avançar as suas políticas: funcionários competiam pelo excesso de zelo e agências em duplicado competiam pelos mesmos objectivos. Não esqueçamos que foi também Lenine o autor da cisão dos comunistas e foi ele quem tomou o poder de forma ilegítima na segunda revolução de 1917 quando os bolsheviques eram ainda uma minoria na Rússia. Lenine foi um fanático com pouco respeito pela vida humana, e tudo menos um santo.

Quanto aos seu ponto que a crise demográfica na Rússia só começou depois do fim da URSS. Está a esquecer-se dos milhões de pessoas que morreram de fome (ou indiferença por parte do estado, se quiser) durante a colectivização forçada e as grandes fomes. Ou os cerca de 18 milhões de pessoas que passaram pelo GULAG, a esmagadora maioria durante a vida de Estaline (que sempre acreditou nos trabalhos forçados como motor da economia).

A URSS não acabou com a miséria na Rússia, muito pelo contrário. Infelizmente a Rússia sempre foi (e continua a ser) um país com muita miséria. Na URSS muitos milhares de pessoas foram forçadas a ir viver para o extremo oriente, colonizar à força a Sibéria. A escassez de bens industriais e alimentares existiu durante toda a vida da URSS. Certo, havia imenso investimento em ciência e tecnologia, mas a esmagadora maioria deste conhecimento destinava-se a fins militares, enquanto o povo sofria com uma qualidade de vida muito inferior ao resto da Europa ou Estados Unidos. Aliás, durante a segunda guerra mundial muitos soldados do exército vermelho ficaram deslumbrados com a qualidade de vida na europa de leste (mesmo em países como a Polónia, Rep. Checa, que os brutos dos nazis e generais russos tinham quase destruído completamente durante a guerra). Portanto na altura o nível de vida num país completamente destruído pela guerra era ainda superior ao nível de vida na Rússia, cuja maior parte nem sequer tinha sido ocupada na guerra. E isto não melhorou depois da guerra. A bomba atómica soviética foi conseguida em 1949 depois de um esforço colossal e um custo tremendo na qualidade de vida do russo comum. O mesmo para a corrida aos armamentos na guerra fria.

Ricardo disse...

É engraçado falar de Portugal, a pouco tempo o New York Times fez uma reportagem comentando que o nivel de vida dos russos estava chegando perto do nível de Portugal e faziam isso em tom de deboche; já que o nivel de vida dos portugueses é um dos mais baixos da UE. Sem falsisdade e fantasia, qual é o peso real de Portugal no cenário internacional ou mesmo na UE? Pois eu direi, com um PIB menor que o Venezuelano peso portugues é quase nulo! Portugal tem que dar graças a deus que existe o Brasil se não até a língua portuguesa seria irrelevante no mundo. Quanto aos EUA o nivel de vida deles é muitooo melhor que o russo, obvio, mas estão longe de ser a 8ª maravilha do mundo com 36 milhões de pobres e um sistema de educação pública e de saúde pública horríveis e até eles reconhecem isso.

Darth disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo disse...

Tiago Pereira, discordo totalmente do que você disse, Stalin mudou totalmente o foco de Lênin que derrubou o governo corrupto e ineficiente dos Czares.

Francisco disse...

Faz parte de todos os manuais que quando se odeia alguém por muito mau ou bom que seja começa-se sempre por atacar o pior que esse alguém possa ter, ignorando tudo o resto. Chama-se a isso psicologia do arcaico. Deste modo temos que descodificar os campos difusos para além das nossas paixões, ou então tornam-mos filicidas das nossas próprias palavras. E quando somos intransigentes com as paixões que sustentamos passamos a ser fundamentalistas, ora a um fundamentalista ninguém o faz mudar de opinião.
Portanto; quando se pretende julgar o comportamento de qualquer personalidade, temos que associar não só o conjuntural como o temporal em que se produziram os acontecimentos. Sejam eles Genghis Khan, Nero, Hitler, Truman, Salazar ou Bush. Nesta medida Estaline não pode fugir à regra.
Cin.naroda

Raphael disse...

A Rússia ainda presa ao passado...
Um grande problema num país que ainda nem sequer experimentou ser uma democracia real.
Grande parte do povo continua a cultuar o tirano como exemplo de lider... Espero que eles não estejam esperando um novo Estaline!

Felipe disse...

É inadmisível associar Stalin a Lenin. Essa foi uma estratégia stalinista que perdura até hoje, como se vê. O grande herdeiro ideológico de Lenin foi Trotsky, assassinado a mando de Stalin. Se Trotsky tivesse triunfado como dirigente do PCUS, provavelmente a URSS não teria colapsado. Mas, após a revolucão de 1917, e a consequente guerra civil (quando os mencheviques tiveram reforço de nada menos do que 14 países - incluindo grandes potências, como os EUA), onde foi necessário a implantação passageira do "Comunismo de Guerra" e um modelo substitucionista (o partido substituiu os proletariados), devido à instabilidade política, a agressão externa, o esvaziamento dos sovietes (poder popular), e por último, a morte de Lenin, fez com que o modelo ditatorial ganhasse força e triunfasse com Stalin. Trotsky previu que se não houvesse uma "revolução dentro da revolução" onde os proletariados tomassem o poder da burocracia, a URSS fatalmente retornaria ao capitalismo pelas mãos da própria burocracia. Dito e feito. Sobre Portugal, infelizmente os portugueses não tem a menor noção do que é pobreza. Portugal, apesar dos comentários dos portugueses deste Blog, é um país rico e muito desenvolvido em comparação com a massa da população miserável do mundo, inclusive no Brasil (onde 30% da população vive na miséria). Ocorre que, justamente pela pilhagem que os europeus (hoje reforçados pelos EUA) realizaram pelo mundo através do colonialismo (hoje imperialismo) é que esses países são miseráveis e a Europa e EUA, rica. Duvida? Se fosse possível isolar estes países do resto do mundo, certamente eles não seriam desenvolvidos, pois não teriam mais a quem pilhar e explorar, o que obrigaria a burguesia dos países desenvolvidos a explorar seu próprio país, o que geraria miséria.

tiagopereira disse...

Caro Felipe,

Lenine foi um ditador por qualquer ângulo que se olhe. Ideologicamente foi diferente de Estaline, apesar de Estaline sempre se ter tentado associar a Lenine. Mas os meios de ambos foram muito semelhantes: não olhar a meios para se livrarem dos opositores; terror em massa; culto da personalidade. Nesse aspecto Estaline foi o herdeiro de Lenine.

Mas não se engane ao pensar que Trotsky teria sido o salvador. Trotsky também não era nenhum santo. Foi ele quem fundou o exército vermelho, tomando-lhe as rédeas com métodos sanguinários: matando oficiais a torto e a direito, e responsável por introduzir os comissários políticos no exército (o que levou a mais corrupção, e muita ineficiência, como por exemplo Zhukov denunciou).
Trotsky era arrogante e tal como Lenine e Estaline não suportava que se lhe opusessem. É um erro pensar que Trotsky teria salvo a URSS. Caso tivesse sucedido a Lenine, muito provavelmente a segunda guerra mundial teria acontecido mais cedo. Trotsky era um adepto fervoroso da revolução internacional e queria a todo o custo alastrar a revolução a outros países por via das armas.

Sobre o que diz da miséria. Não posso deixar de concordar quando diz que em Portugal não se conhece a verdadeira miséria. Mas também não posso deixar de notar que a sua interpretação do imperialismo como causa da miséria seja muito parcial. Note que eu não concordo com o imperialismo. Mas não deixa de ser curioso vir defender a URSS, que foi o maior imperialista da era moderna. Países como o Brasil e outros em África vivem na miséria pois o povo não é produtivo, e não por causa da sua colonização. Parece esquecer que países como os EUA, tal como o Brasil, também foram uma colónia, e hoje não estão na miséria. O Brasil é independente há quase 200 anos, e quer culpar os colonizadores pela miséria hoje em dia? A Rússia também foi uma potência imperialista na Europa de Leste (pilhando metade da Alemanha e muitos outros países), e no entanto hoje muita gente continua a viver na miséria. Olhe para a Alemanha e Japão: com poucos recursos naturais, destroçados depois da segunda guerra mundial e hoje são das maiores potências industriais do mundo. É muito fácil associar o colonialismo à pobreza, mas esse argumento está a ficar cada vez mais velho.

José Manuel disse...

Nisto não há santos nem demónios.
Depois da Revolução os exércitos brancos monárquicos deram início a uma guerra civil que durou anos. E os generais brancos eram famosos pelo seu carácter sanguinário.
Os países que se guerreavam na Europa durante a IGM formaram uma aliança para invadir a Rússia e matar logo a Revolução.
Se a Revolução não se tivesse defendido e usado as mesmas armas dos seus inimigos teria tido o mesmo destino dos mártires da Comuna de Paris em 1871.

Anónimo disse...

Lênin só agiu conforme a época permitia que se agisse, o governo czarista estava condenado a cair por essa ou outra revolução, Lênin morreu sem concluir seu sonho de uma sociedade igualitaria, como ele mesmo dizia era só um homem como outro qualquer que tinha sonhos, qualidades e defeitos e mesmo após assumir a liderança da URSS continuou dormindo em um quardo de empregados do Kremlin, ele tinha horror em pensar que se tornaria um mito e foi no mito de Lênin que Stalin se agarrou. Além das perseguir seus opositores Stalin também promoveu investimentos macicos em saúde, educação, eletrificação da nação, habitação e esporte, foi na era de Stalin que a Rússia erradicou o analfabetismo. Agora era santo? não!

Sérgio disse...

Portugal tem que dar graças a Deus e a si próprio, por existir e ter criado o Brasil, sem o qual a língua Portuguesa teria uma menor relevancia no mundo sendo apenas falado em mmais cinco países Africanos e um Asiatico.

Ziriguidum, hei! disse...

A Alemanha e Japão, com poucos recursos naturais, destroçados depois da segunda guerra mundial säo hoje são das maiores potências industriais do mundo. A explicaçäo é tremendamente simples e explanada em "Post Capitalist Society" de Peter Drucker (1993): em vez de canalizar recursos para a indústria de armamento (que nada produz de concreto, apenas morte), canalizaram-no para o progresso tecnológico aplicado a bens de consumo. Simples. Nos EUA 70% da I&D é militar; no Japäo é 5%. Nos EUA e URSS foi tudo canalizado para armas, armas, armas. Nos EUA os melhores cérebros aplicaram-se a fazer "bombas inteligentes" (porque a indústria militar paga 5 vezes melhor que a civil), e näo a fazer faxes e motores eficientes. Por isso säo competitivos.

Lenine tinha horror a cultos de personalidade, vivia pelas próprias regras, modestamente. Estaline, adepto da boa vida, criou o culto a Lenine, pegando-se a ele para se credibiliar, visto que Lenine já tinha dito que ele era perigoso e que näo o queria ver à frente da URSS. Lenine teve de criar a Checa ou entäo acabavam como a Comuna de Paris, é bem verdade! Quanto aos czares e generais brancos... veja-se o que aconteceu em 1905 por todo o Império Russo, quando o povo esfomeado veio pedir päo... levaram chumbo à farta para matar a fome! Fazerem do Nicolau II só demonstra falta de dignidade e respeito pela Humanidade, os czares foram täo bons ou piores que o Estaline!

Gilberto Mucio disse...

A verdade é que tudo de bom e de ruim que há na Rússia, é graças a URSS.

Também é verdade -- é desonestidade negar -- que a revolução trouxe avanços, como também é verdade que o stalinismo foi um cancer para o povo soviético.

A reabilitção de sua imagem é um utraje. O KPRF é uma piada de mal gosto.

ABC disse...

JM:
fico muito preocupado ao constar que uma das reportagens do dia na Russia Today é acerca dos avisos do Cardeal Patriarca em relação aos casamentos com muçulmanos. A coisa faz lembrar as agendas da URSS a desestabilizar o Ocidente.Critica-se que o país seja católico como se a Rússia não fosse cristã (até tem igreja própria). Em Portugal não há problemas com o Islão e nunca somos falados e agora somos falados assim.
Peergunto mais uma vez? O que anda a fazer o FSB? Querem armar bronca em Portugal? Foi por isso que deixaram de investir cá e optaram por Espanha? A notícia é nojenta e feita de má fé. Quem ganha com ela?

Inácio Cristiano disse...

Caro Felipe,

Em que seculo vive? no XXI?duvido.

"Se fosse possível isolar estes países do resto do mundo, certamente eles não seriam desenvolvidos, pois não teriam mais a quem pilhar e explorar, o que obrigaria a burguesia dos países desenvolvidos a explorar seu próprio país, o que geraria miséria."

O actual paradigma do poder, na maioria dos países desenvolvidos pertence à "vox pop" e são os autenticos filhos do povo que governam ou desgovernam as dinamicas da exploração das mais valias, sejam estas reais ou ficticias.

Quanto ao colonialismo de "bandeira" por inexistente na actualidade, só poderemo-nos referir a ele pelas sequelas, umas boas outras más para os vindouros corrigirem.

Quanto a Staline, penso que se não fosse caucasiano, poderia-o comparar aqueles grandes dirigentes africanos, que por amor ao seu povo, tudo fazem para se perpectuar no "Poder" como o recentemente falecido presidente da Guiné-Bissau João Bernardo Vieira, isto para me referir a um seu admirador ideológico.

Jest nas Wielu disse...

2 Felipe

/ Mas, após a revolucão de 1917, e a consequente guerra civil (quando os menchiviques tiveram reforço de nada menos do que 14 países - incluindo grandes potências, como os EUA)/

É absolutamente falso afirmar que o reforço foi dirigido aos menchiviques (socialistas), pois os generais russos Kolchak, Yudenich, Vrangel, etc., eram tudo menos menchiviques... Alias, eles penduravam os menchiviques ao lado dos bolcheviques, para eles eram os niilistas, mais um alvo a abater.

/ Ocorre que, justamente pela pilhagem que os europeus (hoje reforçados pelos EUA) realizaram pelo mundo através do colonialismo (hoje imperialismo) é que esses países são miseráveis e a Europa e EUA, rica./

De mesma maneira, os russos ocuparam militarmente a Sibéria e todo o Extremo Oriente (dito russo), ou vocês pensam que na Sibéria, ou no rio Volga não viviam os povos nativos com seus usos e costumes e até com uma civilização bem apurada, em termos de estrutura social. Vejam o Khanado do Kazan (Kazã) e tantos outros. Única diferença, os portugueses / espanhóis tinham que navegar no mar e os russos (exploradores ao serviço dos reis russos), navegavam o “mar verde” que é a Sibéria.

2 Manuel Santos

/ E os generais brancos eram famosos pelo seu carácter sanguinário. /

Eram famosos a onde, nos livros editados pela PCP / Avante? Nenhum general dito “branco” (mais ou menos monárquico), nunca usou o gás venenoso contra os comunistas (simpatizantes deles), já o general vermelho Tukhachewski (que foi pesadamente derrotado na Polónia, com a participação no exército polaco dos vários oficiais do recém – derrotado exército da República Popular Ucraniana), nos anos 20 usava o gás para matar os camponeses russos na província de Tambov.

2 Anónimo

/ Lênin morreu sem concluir seu sonho de uma sociedade igualitaria,/

Camaradas, mas quando vocês vão começar estudar a “parte material” da questão russa – soviética, antes de dar estes papos pouco esclarecidos. Lenin nunca apelava ao igualitarismo, pelo contrário dizia que “usaremos a desigualdade como a arma proletária”. Quer dizer, os membros do partido, supostamente eram todos iguais e todos camaradas, agora uma pessoa fora do baralho, um NEPman qualquer, um kulak (ru) ou kurkul (ua), ou até intelectual do antigo regime, nunca eram equiparados a um comunista, membro do VKP(b).

Estudem a “parte material”, meus lindos, estudem, ler não faz mal a vista, juro!

Anónimo disse...

Realmente, estudem a revolução de 1917, principalmente leia artigos de autores russos.

Francisco disse...

Este JEST está a revelar-se um verdadeiro génio! De asneira em asneira até ao chorrilho final não vai demorar muito. Em história acabou de dar uma lição de magnificência baboseira. Pudera com os ilustres professores que dispõe tem toda a razão de explanar sabedoria. Afinal o trabalho do grande mestre Semion Mogilevich está a surtir efeito.
Ou talvez pense que está falando para a rádio Sokodh?
Cin.naroda

Jest nas Wielu disse...

Bom, Sérgio, estou me nas …. para aquilo que um sérgio qualquer pode achar de mim ou das minhas opiniões, estudem a “parte material” e depois venham me indicar onde eu errei. Acredito que em nenhum dos pontos que eu apontei, errei coisíssima nenhuma.

No que toca outras coisas, sempre achei que você é filho do mesmo povo que sr. Mogilevich, nas nossas bandas o maior ante semita é o judeu que tem ½ da respectiva sangue. Não me leve a mal.

Francisco disse...

Explique-se melhor por favor . Ou só sabe Português para insultar ?
Cin.naroda

Jest nas Wielu disse...

Explicando-se melhor, queria dizer Francisco, em vez de Sérgio, nem sei da onde me saltou o Sérgio. Do resto, se não tem a capacidade de aguentar o “barco”, não assine os seus textos com as palavras das línguas estrangeiras (ou aquelas que entende pouco).

Bobruysk espera por si!

Anónimo disse...

tanta gente baralhada...

estaline foi um politico que por acaso era assassino, psicopata, bem, muito inteligênte, mudou o mundo, enfim, ele foi muitas coisas.

é comico e hilariante ver tanta gente a dizer mal do homem, até mete nojo esta tendencia moderna de repudiar os bad boys do passado, estes ares do politicamente correcto são a maior peste de todas..
o estaline fez o que fez, errou e acertou, o que adianta estar a julgar o passado?
se fosse o trotky tinha sido igual ou pior do que ele, ao dizer o maniaco do trotsky podia dizer muitos mais nomes.
o que é realmente importante é aprender com os erros, um deles é que NUNCA se deve confiar em ideologias totalitárias nem em esquiziofrenicos de esquerda.

bruno.
king Cross, Ing.

Anónimo disse...

E Jerónimo e Bernardino também lá vão deixando uns cravos na esperança de Stalin fazer um milagre que lhes permita instaurar em Portugal um regime Stalinista. E os simpatizantes do nazismo é que são os únicos proscritos. Stalin foi um Santo. Não usou formos crematórios mas usou milhões como mão escrava para construir estradas e caminhos-de-ferro em condições tais que a maioria passou a fazer parte dos materiais das obras. Mandou perseguir, prender e matar milhões para garantir poder absoluto. Mas continua a ser um ídolo democrático para os PCP. Mas os simpatizantes da cruz gamada estão tramados. Será que Jerónimo e Bernardino já foram a Fátima para a benzedura da bandeira vermelha com a foice e o martelo?

Anónimo disse...

Tadinhos dos nazis...

ABC disse...

JM:
então não me diz a sua opinião acerca daquela reportagem feita com um mês de atrso e destinada a prejudicar a imagem de Portugal junto dos países islâmicos? Será esta a agenda do governo? Que anda Putin a fazer, se é que ainda é ele que manda, no que começo a ter dúviddas? Como vê, estou muito longe de reverenciá-lo como julga. Acho grave esta história, cheira a trabalho encomendado. E depois vai-se ao site da Embaixada e está uma lista de notícias da visita do Presidente a Espanha como nunca se viu outra por ali. Que é isto? Agora somos colónia espanhola? Parece que é tudo feito para insultar e humilhar o país. Que raio se passa?

Francisco disse...

Alguns dos comentários do senhor JEST sobre Portugal e os Portugueses.
********************
Porque hoje em dia o Portugal, país de longe, não o mais rico da Europa, tem a nível da vida da população em geral maior do que a Rússia (por alguma razão mais de 5.000 russos, dados do SIF, residem em Portugal).
Miroslav “Carvalho da Silva” Yakibchuk advertiu o poder sobre uma greve geral incontrolada. Acho que camarada sindicalista português anda fazer as mesmas advertências todos os dias.
2. O presidente de um partido que tem (salvo erro) 15 ou 19 deputados entre os 450, acredita nas palavras do “Carvalho da Silva”. Quer dizer, “Bloco do Lytvyn” acredita no “C. Da Silva”, maravilhosamente.
Para perceber o sentido do termo russo – tropicalistas, é preciso saber o que era o lusotropicalismo (em poucas palavras: a teoria do que os portugueses eram únicos europeus que estabeleceram um relacionamento muito especial, da proximidade e de carinho para com os africanos).
o significado do termo lusotropicalismo) amplamente usavam antes do 1975.

Explicando-se melhor, queria dizer Francisco, , nem sei da onde me saltou o Sérgio. Do resto, se não tem a capacidade de aguentar o “barco”, não assine os seus textos com as palavras das línguas estrangeiras (ou aquelas que entende pouco).

Bobruysk espera por si!

********************
Senhor JEST não acha que já disse coisas a mais sobre Portugal e dos Portugueses? Não percebeu que já ultrapassou os limites? Que pisou o risco para além daquilo que é aceitável?

Quanto a assinar cin.naroda é simples. Estou num blog em que se discutem temas da Rússia. Talvez lhe agrada-se “son of the people? É um traseiro mais delicioso para lamber não?

Meu caro como o meu Russo é muito rudimentar , nem com as pessoas mais chegadas por vezes estou à vontade para falar. Mas o pouco que sei quando o uso é de forma educada e com respeito por os meus interlocutores, sei comportar-me com decência. Mas o senhor além de assassinar a língua de Camões cada vez que a usa. Serve-se também dela para insultar e achincalhar os seus filhos.
Sempre que se refere a Portugal ou aos Portugueses , não faz mais que provocar e denegrir, quem recebeu e tratou com dignidade milhares de imigrantes Ucranianos desprotegidos e famintos, que fugiam da miséria avassaladora em que o seu país está mergulhado. É esta a gratidão que têm para quem os acolheu, retirou da miséria e lhes matou a fome? Se vê que Portugal e os Portugueses são assim tão maus não use a nossa língua. Não seja malcriado, faça uso da boa educação que é um termo que também consta do nosso dicionário.

Na sua mente infantil julga que foram 5000 trabalhadores estrangeiros que vieram desenvolver Portugal?
Quanto ao Manuel Carvalho da Silva quero dizer-lhe que se trata de um homem bastante sério. Portanto não lhe compete a si como cidadão estrangeiro fazer qualquer avaliação de pessoas que não conhece minimamente, muito menos achincalhar da forma como tentou. Ou julga que é tudo mafioso como na Ucrânia?
Essa dos lusotropicalistas refere-se aos regressados das Colónias depois da independência (retornados sem ofensa). São pessoas que para o bem ou para o mal fizeram as suas vidas lá e deixaram muita obra feita, se porventura houver que fazer reparos compete-nos a nós Portugueses ou aos Africanos. Não é a qualquer ser faminto que fugiu do seu país para escapar à miséria.
Quanto a ir para Bobruysk como me recomenda. Tanto posso ir para lá como para Vitebsk,Polotchk,Miori ou Psuiá. Vou tranquilo, porque sei que não sou assaltado, nem corro perigo de vida, também não vou deparar com miséria, se tiver algum problema que tenha que ser hospitalizado tenho a certeza que sou tratado com dignidade, não precisa a minha família ou os amigos terem que me ir levar comida, ou roupa ao hospital, como acontece na sua Ucrânia. Não deparo com mendigos na rua a pedir esmola. E muito menos com o triste flagelo da prostituição de menores como acontece no seu país.
A este propósito quando lhe falei dum tal Semion Magilevich e da infame auto estrada E-55 e do famigerado Mercado do Arizona, o senhor como qualquer cobardolas fugiu à conversa porque sabia muito bem do que eu estava a falar. Apenas me disse que o (homem) é Judeu.
Quero lá saber qual a religião que o bandido professa. O que sei é que é dos grandes patrões do crime( dos milhões que por lá pululam), tem traficado milhões de jovens para a Europa a partir da Ucrânia, droga, branqueamento de capitais, investimentos fraudulentos, branqueou 10 mil milhões de dólares no Bank of New York, além de ter financiado partidos ligados ao governo. O senhor como Ucraniano que é, não o envergonha de o seu país ser falado no mundo por os piores motivos?
Senhor JEST há um pormenor que ao que parece lhe escapa, hoje para se saber qualquer informação já não precisamos nem de estar no local ou de lá ir.
Vi uma notícia sobre o estado da economia na sua Ucrânia é aterrador. O Semanário Espelho da Semana (Zerkalo Nedeli) “conhece de certeza” diz isto; segundo dados publicados por o Comité Nacional de Estatísticas a baixa do PIB em Janeiro de 2009 oscila entre os 25 e os 27 %. Diz mais; Em relação à produção industrial, fontes oficiais reconhecem que em Novembro se reduziu em 28,6 %, em Dezembro 26,6 % e em Janeiro 34%.. Depois diz; estes indicadores só são comparáveis aos de 1994. Depois mais isto; Ao resumir este panorama, a agência UNIAN (não sei do se trata) assinala que com maior ou menor precisão, várias fontes distintas coincidem com o qualificativo de caótico e desastroso.
Mais à frente fala das intrigas entre os dirigentes e a muita roupa suja que por lá vão lavando em vez de se preocuparem em resolver os problemas.
Isto sem falar na divida!
Mas para paródia ainda acrescento, que até já o sal escasseia.
Perante este cenário.
Creio que chegou a altura dos Russóbobos Ucranianos cada um meter uma corda ao pescoço e irem pedir perdão aos Russos.
Obviamente que o tema é Estaline. Mas como se costuma dizer quem cala consente.
Cin.naroda

Francisco disse...

Corrijo (assassinar) a lingua de Camões. Por maltratar.
cin.naroad

Wandard disse...

"A Alemanha e Japão, com poucos recursos naturais, destroçados depois da segunda guerra mundial säo hoje são das maiores potências industriais do mundo. A explicaçäo é tremendamente simples e explanada em "Post Capitalist Society" de Peter Drucker (1993): em vez de canalizar recursos para a indústria de armamento"

Correto,

Só que estes dois países foram impedidos de reestruturar sua estrututra militar e ainda o são por livre e espontânea pressão dos Estados Unidos, que após a segunda guerra procurou garantir que mais nenhuma outra nação europeia e mais o Japão que pagou caro e de forma humilhante para o seu secular código de honra, com duas bombas nucleares e um eterna ocupação americana, voltassem a ser potências com qulquer representatividade. Como não puderam subjugar a União Soviética e a China, realmente investiram para que estes países recuperassem sua condição industrial e êconômica desta forma se obteve com a guerra fria muito mais que a ameaça nuclear contra a União Soviética, mas também o bloqueio do comunismo a outras nações através do capitalismo representado pelas multinacionais instaladas em nações pobres e os empréstimos, que tornaram estas nações reféns dos então países desenvolvidos e capitalistas.

Wandard disse...

"Expliquem pf, graças ao que os EUA tem TUDO isso e muito mais sem a presença do comunismo?"

Jest,

Em termos tecnológicos e principalmente no campo espacial os Estados Unidos devem à Alemanha, pois fora a fuga dos cientistas deste país durante as perseguições nazistas inúmeros projetos que não puderam ser desenvolvidos pela combalida Alemanha entre 1944 e 1945, foram parar nas mãos dos americanos. Um fato que o mundo tem que engolir é que quem deu o pontapé inicial na corrida espacial foram os russos e os americanos saíram somente depois. A arrogância americana foi tanta, quando se refere a questão espacial que apenas um exemplo é suficiente para demonstrar isso: Oa americanos desperdiçaram tempo e dinheiro para desenvolver uma caneta que funcionasse na ausência de gravidade, os russos foram mais práticos, usaram um lápis (Karandachi).

Abraço,

Anónimo disse...

este ultimo comentário é ridiculo.

Pela sua ordem de ideias então para que inovar??
Se um automovel actual já faz tudo estritamente necessário para que desenvolver mais ainda essa tecnologia?

Esse seu exemplo so demonstra o quao atrasado é o programa espacial russo quando comparado com o americano.

A russia e ex-URSS perderam a corrida espacial, não se esqueça desse pormenor.

Uma diferença fundamental entre o programa espacial soviético e americano era que o ultimo era aberto ao publico e todos avaliavam o desempenho em tempo real enquanto que o programa espacial soviético era classificado e no fundo não foi conquista nenhuma, foi mais um programa espacial com intuitos militares.

Diga-me o nome de uma missão espacial russa ou soviética feita com sucesso a marte ou mais diga-me quantos russos já viajaram à lua.

A russia(herdeira da industria espacial soviética) está a anos luz dos americanos.

ps: quando afirma que os EUA conseguiram o que fizeram graças aos alemães então não se esqueça que os russos fizeram EXACTAMENTE o mesmo com a diferença que os russos OBRIGARAM os alemães a trabalhar enquanto que Van Braun pressionava os americanos.

bruno.

Jest nas Wielu disse...

2 Francisco

1. Prefiro que assina em português, pois seu domínio da língua russa é insuficiente.
2. Francisco não deve falar em nome de Portugal / portugueses, pois eles não lhe passaram este poder (pelo que ai saiba).
3. Boa educação não é aqui chamada, após barbaridades que cá se disseram sobre a minha língua, o meu país ou meu Presidente. Quer discutir coisas com adultos, aguenta-se, caso contrário volta para a sua creche ler “Koza – dereza”, um conto infantil muito bom.
4. Leia 5 vezes aquilo que eu escrevo, antes de me citar, pois não falei dos “5000 trabalhadores estrangeiros que vieram desenvolver Portugal”, mas de mais de 5.000 cidadãos russos que escolheram viver em Portugal.
5. Se eu não posso avaliar o C. da Silva, pare de avaliar os ucranianos, ainda recentemente estava falar mal do Stepan Bandera. Ou já se esqueceu?
6. “tudo mafioso como na Ucrânia?” – por acaso não é uma avaliação maliciosa, ingrata e pouco inteligente que faz do meu país? Se você pode, então eu também.
7. É claro, que o termo lusotropicalistas não é sinónimo de retornados, até porque o lusotropicalismo é uma corrente filosófico – ideológica e os retornados fazem parte dum fenómeno social.
8. “E muito menos com o triste flagelo da prostituição de menores como acontece no seu país” – Tio, no seu país os mesmos menores não são diariamente “comidos” dentro e for a das paredes da casa Pia?
9. Para ser sincero, não acompanhei o caso de Mogilevich (o apelido dele não se escreve com A), mas acho que é igual aos tantos Freeportes / Casas Pias por este mundo for a, que não lhes dou a importância indevida.
10. Agência UNIAN, é uma agência informativa (tipo LUSA), quando ao “Dzerkalo Tyzhnia”, a) manda me o link para ver se Francisco diz a verdade; b) produção industrial cai em todo o mundo, no Japão essa mesma produção caiu em 69% em 2009.
11. Creio que chegou a altura do Chico meter a vaselina no bolso e ir ter comigo, que eu lhe encaminho às pessoas, que lhe tratam do seu amor ao Stalin de maneira espectacular.
12. E não venha depois queixar-se do meu tom, pois se quer respeito, mostre o mesmo para com os outros.

Anónimo disse...

" chegou a altura do Chico meter a vaselina no bolso e ir ter comigo."

eles revelam-se em pormenores.

jest desconhecia a tua homosexualidade...

vasco,

Anónimo disse...

jest, lembra-te que nunca poderás viver num pais criado pela ucrania, a tua nação amada, a ucrania é um pseudo-país, criado por decreto lei..lol

na ucrania são todos corruptos sim!

e são os emigrantes cá que admmitem isso e eles proprios são extremamente corruptos...

tchau aí.

vasco,

MSantos disse...

Relativamente ao comentário do leitor Bruno, e focando uma matéria (conquista espacial) da qual sou particularmente entusiasta, não posso deixar de esclarecer alguns pontos:

Sobre a sua classificação do comentário do Wandard, não me vou pronunciar sobre a sua "acutilância" a aspectos discordantes.

Embora não partilhe do anti-americanismo frequente do nosso amigo Wandard, e neste caso em concreto.

Penso que o famoso caso do lápis ilustra a grande capacidade técnica e inovação que os cientistas soviéticos abordaram de outra forma, problemas que enquanto o ocidente dispunha da tecnologia para os resolver os soviéticos engredaram por conceitos audaciosos para os contornar (e não só o caso simplista do lápis). De facto a electrónica e a miniaturização foram e ainda continuam a ser os grandes handicaps soviético/russos.

Ambos os programas espaciais contam com o seu historial de misérias e grandezas.

De relembrar que o inegualável feito da viagem lunar, na senda do desejo do presidente Kennedy, foi por si só uma resposta a duas "humilhações" (assim entendidas pelos EUA) que foram a colocação em órbita do 1º objecto fabricado pelo homem, em 57 e o histórico vôo de Yuri Gagarin
em 61.

A NASA foi uma agência que até cerca de 83, primeiros vôos do Shuttle, se pautou pela inovação, tecnologia muito avançada e rigor científico. A partir daí aconteceu qualquer coisa e tudo descambou e a NASA tornou-se numa organização de carreiristas, orientada por objectivos económicos e mais propagandísticos que científicos. Todos os engenheiros e cientistas que levantaram a voz contra os procedimentos e construção que originaram os dois gravíssimos acidentes do Challenger e do Columbia foram despedidos. Isso criou uma cultura de medo que se sobrepôs á cultura científica.
Pior: o substituto do Shuttle não será nenhum avião espacial mas sim o recuperar da cápsula Apollo, modernizada com computadores e rebatizada Orion. Será nesta casquinha de noz que os levará á Lua e pretendem eles, pasme-se, a Marte (já agora, o facto dos russos não terem ido a Marte coloca-os em pé de igualdade com os americanos).

Uma hipotética viagem a Marte que demoraria cerca de 2,5/3 anos implicaria um complexo mais ou menos o dobro do tamanho da ISS de modo a poder proporcionar todas as condições de vida fisiológicas/psicológicas a uma equipa de astronautas que estariam por sua conta e risco e impossibilitados de qualquer ajuda da Terra.

Relativamente á Russia, apenas possuem o lançador de seres humanos mais fiável e seguro chamado Soyuz.

Quem leva os americanos ao espaço durante os seus "interregnos técnicos"?

Uma das questões que se levantou no conflito da Georgia, foi com que cara é que os EUA iriam comprar vôos na Soyuz no interregno que vai existir (pelo menos são honestos em o admitir) entre o Shuttle e a Orion?

Depois do período miserável da desintegração soviética, A Russia e apesar da sua tecnologia inferior, dispõe de métodos e ideias comprovadas e inovadoras e actualmente consegue ser o programa espacial mais prometedor dado ter muitos projectos que já foram concebidos e testados:Estou a lembar-me do colossal ENERGIA.
Haja vontade e nos dias que correm, dinheiro.

Mesmo até no campo da "Guerra das Estrelas" circulam rumores que se os soviéticos tivessem conseguido colocar em órbita estabilizada, a estação espacial militar POLYUS, os EUA tinham vindo á mesa das negociações para cancelar ambos os desenvolvimentos neste domínio.

Para quem quiser mais informações sobre o fascinante programa POLYUS, aqui tem:

http://k26.com/buran/Info/Polyus/polyus-energia.html

http://www.buran-energia.com/polious/polious-desc.php

Ambos os programas são notáveis e representam o que de melhor a espécie humana pode proporcionar, na sua capacidade criativa e empreendedora independentemente do seu lado negro que também infelizmente está presente e acompanhará para sempre qualquer realização humana.

Cumpts
Manuel Santos

Wandard disse...

"este ultimo comentário é ridiculo."

Bruno,

Apesar de discordarmos em vários aspectos, sempre o tratei com respeito, fiquei decepcionado com a forma que conceituou.

A resposta do Manuel já foi por demais abrangente e dela não retiro nem uma letra sequer, e ao amigo agradeço o comentário, apesar de discordar do meu "anti-americanismo".

No tocante aos projetos "assimilados" da Alemanha, estes ficaram todos com os Estados Unidos, pois foram encontrados no lado aliado e não do lado soviético.

Se os soviéticos obrigaram os cientistas que ainda se encontravam na futura Alemanha Oriental e Von Braun e os demais cientistas trabalharam com os americanos, não retira a questão da tecnologia utilizada pelos Estados Unidos ter sido oriunda da Alemanha, não é difícil observar isso, basta rever os equipamentos militares que os americanos produziam no início da segunda guerra em comparativo como os alemães, isto é público notório e já foi registrado na história, suas máquinas só melhoraram da metade do conflito em diante, quando puderam "estudar", a tecnologia alemã dos veículos e aviões capturados.

E os anos luz á frente dos Estados Unidos, está bem representado no fiasco dos ônibus espaciais e o retorno ao velho sistema de estágios, claro com um upgrade.

De resto as inúmeras missões espaciais e outros empreendimentos da NASA, serviram bastante para enriquecer empresários do setor aerospacial e militar, manter acesa a fogueira das vaidades de cada mandato e ser mais um fator a contribuir para a conta que hoje os 4,4 milhões de desempregados americanos gerados de dezembro de 2008 a fevereiro deste ano estão pagando nas filas do seguro desemprego.

Anónimo disse...

Wandard, eu classifiquei o comentário de ridiculo e não quem o escreveu.
Eu acompanho este blogue com alguma frequência e raramente participo e confesso que os seus artigos têm qualidade e gosto de ler. Espero que aceite as minhas desculpas.

Quanto ao programa espacial russo,
ele na sua totalidade usa tecnologia soviética que foi desenvolvida na decada de 60'
Um leitor aqui referiu que o veiculo Energia foi um sucesso, mas isso é tudo relativo, só foi testado 2 vezes e o seu custo era insuportavel para a URSS e depois russia, por isso foi cancelado por yelsin em 1993.os soviéticos desenvolveram o buran para provar aos americanos que tambem eram capazes de fazer o mesmo, ou seja, por uma questão de prestigio e orgulho e não por uma questão de necessidade.
o mesmo leitor falou do sistema SDI polyus, bem, mesmo que essa missão tivesse tido sucesso(falhou em 1987) gorbachev expressamente proibiu testes militares no espaço,na verdade, essa missão serviu mais para testar a capacidade do veiculo Energia em colocar objectos em orbita.
O leitor falou e com rasão da estagnação do programa espacial norte-americano, mas isso é normal, visto a guerra fria ter terminado e não existir mais vontade politica para apostar a sério na conquista espacial. A nasa é uma entidade altamente burocratica e obsoleta e muito mais são as similares agencias espaciais dos restantes países.
Para mim, é um absurdo total, a europa não ter ainda colocado um homem no espaço recorrendo à sua tecnologia, a europa tem a tecnologia suficiente, tem o know how, tem recursos, tem dinheiro, porem, falta a vontade.
O futuro no espaço está nas mãos do empreendedorismo privado, disso não tenham duvidas.
Estejam atentos ao que a virgen Galactic anda a fazer..

Não se esqueçam que os estados não têm o monopolio do espaço e se a russia quer mesmo ter uma palavra a dizer no futuro neste sector tem de promover o empreendedorismo privado neste sector.

bruno.

Francisco disse...

Senhor JEST acabei de receber o seu certificado de boa educação. A partir de agora o nosso diálogo terminou.
Ensinaram-me a dialogar com os outros usando boas maneiras, muito embora por vezes não esteja de acordo com os seus pontos de vista.
Agradeço que fiquemos por aqui!
Cin.naroda

Wandard disse...

Ok amigo Bruno.

Tudo entendido e resolvido. Não fique tão ausente.


Grande abraço,

Jorge disse...

Vários países desenvolveram uma qualidade de vida boa para seus cidadão sem massacres políticos. Em 1917 a maioria das nações eram pobres na média, com salários ridículos se comparados aos de hoje. EUA e Rússia se equivaliam em PIB. Stálin não era necessário.

Jorge disse...

Roberto Campos foi um economista e político brasileiro; quando a esquerdinha nacional gritava que Fidel tinha conseguido fazer avanço na educação cubana (que eu duvido), ele dizia que a Coréia do Sul fez melhor em uma economia de mercado.

Gilberto Mucio disse...

Comparar EUA e Rússia em 1917, é como comparar os EUA com o Zimbabue.

A Rússia era um país de camponeses analfabetos com dentes podres nessa época. E os EUA já eram o país mais desenvolvido do mundo(não tinha o poder que tem hoje, evidentemente).

A revolução foi um avanço fantástico SIM. O atraso foi Stalin. Esse foi um cáncer. Praticamente todas as aberrações culturais, que hoje amaldiçõam esse país, devem-se a essa coisa chamada stalinismo.

Jest nas Wielu disse...

2 Francisco

Ok, podemos parar por aqui, eu sempre digo o mesmo, quando vocês atacam e humilham (geralmente reunidos num bando), ficam todos valentes e orgulhosos dos seus feitios, mas quando levam na mesma medida, então fogem aos gritos do tipo “socorro mamã, aquele moço bateu me, deu me os ponta – pés no ... enfim, o rapaz é mau”.

Passe bem igualmente.

O blogueiro osseta, Abkhazeti-Dato publica a lista dos 228 georgianos civis, que morreram em resultado da invasão russa da Geórgia (lista em russo):
http://abkhazeti-dato.livejournal.com/71895.html

claro, os russo – tropicalistas podem contra argumentar, “e dois biliões dos ossetas, assassinados pessoalmente pelo Saakashvili?”. Apresentem a vossa lista, digo eu....

Jorge disse...

Os EUA em 1917 tinha também uma grande massa de camponeses bem pobres; a herança negra era um testumunho. É óbvio que a Guerra de 1914 arrebentou a Rússia e ajudou os EUA. Mas é teórico e aceito que suas economias se equivaliam; ambos já possuiam elementos básicos da industria do automóvel, como aço, tecnologia e energia. Se não fosse a loucura comunista, sem dúvida alguma a economia da Rússia seria igual ou maior a dos EUA.

Vamos ver Portuga! Capriche nos argumentos que vou aprender.

Francisco disse...

Sei que falar hoje de Estaline é quase tão (arriscado) como foram as vidas daqueles que estiveram à mercê dos seus ditames. Mas permitir que a história seja conspurcada à sua custa, não é mais que aceitar ou participar no encobrimento de crueldades não menos horríveis cometidas por Estaline. Mas quando se coloca Lenine ao mesmo nível de Estaline ai sim já se está a tentar fazer a defesa (até branqueamento) encapotada de um sistema mais terrível que o Estalinismo sem coragem para o declararem abertamente.
Estou pouco habilitado para falar de Lenine, sei que foi um grande intelectual, nos deixou obras que ainda hoje estão a ser investigadas na área das ciências humanas. Portanto com bastante actualidade. Além de ter sido uma personagem que se preocupou toda a sua vida pela causa dos mais desfavorecidos da sociedade. Também contribuiu para a queda de um regime déspota que ainda praticava o feudalismo (o ultimo da Europa) mantendo o povo na mais ignóbil pobreza e atraso social. Se o obteve por meios violentos isso é indiscutível. Como não dispunha de outras formas para enfrentar a máquina repressiva do Czar. A rebelião foi a alternativa. Muitos outros povos da Europa e do resto do mundo também fizeram revoluções para se livrarem de tiranias, e alcançarem a almejada liberdade. Lembro-me os exemplos de França e dos EUA. Quanto a criar esta ou aquela instituição, até parece que foi o primeiro Estado a criar serviços de informações. Qual o país que não tem um serviço de informações? Quanto mais eficaz, maior a protecção! Veja-se os casos do (anão) Israel, EUA, Rússia, Inglaterra.
Lenine continua a ser uma referência para os oprimidos e explorados do mundo inteiro como o era no seu tempo, na medida em que as condições sociais de muitos milhões de seres humanos, pouco ou nada mudaram. Pelo contrário o sistema capitalista financeiro nos últimos anos tem apertado cada vez mais o garrote contra aqueles que trabalham. A pobreza tem aumentado na proporção inversa ao acumular da riqueza. A situação na Europa é bem o reflexo disso, enquanto os lucros aumentam nós vemos o nosso poder de compra diminuir.
Desta forma tem que ser encontrada uma solução urgente para a saída do pântano, económico e social em que o mundo está mergulhado! Não queiramos que isto seja o preludio de mais um conflito mundial, para depois recomeçar tudo de novo como tem acontecido até aqui.
A existir outro conflito mundial, de certeza que não temos mais hipóteses de um novo recomeço. Talvez reapareça-mos daqui a muitos milhões de anos quando outros seres encontrarem os nossos esqueletos fossilizados. Ora para nos livrar-mos do abismo que espreita, precisamos desesperadamente implementar um sistema de desenvolvimento sustentável e justo em equilíbrio com a natureza, que não delapide arbitrariamente sem qualquer controle os seus bens. Onde a riqueza produzida seja equitativamente distribuída por todos. Deixando de ser rapinada como até aqui por um pequena minoria parasitária. Por enquanto não dispomos de uma solução alternativa viável. A não ser o modelo proposta por Marx e Lenine.__ Adaptado ao nosso tempo .A humanidade evoluiu muito!

Eu lembro-me perfeitamente bem, que em Portugal e na Europa muitos partidos Sociais Democratas (o PSD, advogava__ “os grandes ideais do Socialismo são a liberdade a igualdade e a solidariedade”___ continham nos seus programas referencias ao Socialismo «os Socialistas defendiam explicitamente o Marxismo». Mas depois em consequência das mudanças politicas nos finais da década de 80. Por seguidismo oportunista, transvestiram-se em neoliberais, diluindo-se num só grupo, esqueceram os seus deveres sociais colocaram-se ao serviço dos grandes interesses económicos. Silenciando todos os que se lhe opõem, ou defendem um modelo social mais justo.
Hoje digladiam-se por a conquista do poder em verdadeiros espectáculos políticos carnavalescos. Como se uns fossem diferentes dos outros.
Este neoliberalismo dominante sustentado e ao mesmo tempo protector do grande capital/especulativo, com a actual crise para proteger o monstro que criou, veio apressadamente em socorro do sistema financeiro, ele próprio causador do caos que se está a gerar. Nacionalizando bancos e outras instituições do género, injectando doses maciças de dinheiro na tentativa de salva-lo, criando problemas sociais gravíssimos. Afinal chegou-se ao ponto de nem em Keynes já confiarem! Tendo de socorrer-se dos ensinamentos de Marx e Lenine! Não o querem admiti-lo mas é a realidade. O sistema neoliberal sempre foi um feroz inimigo do controle de empresas por parte do Estado. O lema era privatize-se. Alegando que o Estado era um mau gestor.
Mudaram de opinião repentinamente? É para gritar;__ Marx e Lenine voltem que estão perdoados!
Portanto as suas teses no fundamental continuam vivas.


_____ Quanto a Estaline, não é necessário recorrer à mentira ou à propaganda grotesca para o condenar. Os seus actos e os crimes que praticou contra o seu povo são o melhor testemunho, para isso basta apenas usar a verdade.
Sobre essas falsas lágrimas vertidas pelas suas vítimas, é sabido que escondem interesses mais profundos. O seu alvo está muito para além das acções de Estaline. Temem aquilo que Estaline com justiça devia ter implementado.___ Uma sociedade mais justa sem exclusões de qualquer ordem._ Mas que em seu nome assassinou milhões de inocentes. Quem mais devia defender essa causa, foi quem mais a traiu, metendo argumentos na boca dos seus inimigos. Nenhum detractor da causa Socialista lhe conseguiu causar tantos danos como Estaline.
Quanto aos seus crimes e monstruosidades, estão todos ditos e recontados, muitos verdadeiros, outros falsos e ainda outros altamente deturpados, hoje os próprios criadores dessas mixórdias não se atrevem a revelar os dados que dispõem, porque sabem que vão provocar o filicídio, ou seja vão assassinar o filho que geraram (iam ter que desmentir-se a si próprios). Porque razão não revelam os segredos dos arquivos Soviéticos se tiveram a liberdade de os chafurdar de cima a baixo? Antes de terem acesso aos mesmos criaram uma enorme expectativas, esperando encontrar lá coisas assombrosas! Agora recusam-se a mostrar o que têm nas mãos?

Os seguidores de Conquest, Service, Roi Medvedev e muitos mais, tão exímios e pontuais em despachar relatórios, hoje remeteram-se ao silêncio? Porque motivo não publicam os dados que dispõem? Quando lhes agrada vomitam tudo mal lhes entra na boca, e agora qual a razão que os impede? Estranho? Talvez porque a mentira tem pernas curtas! Alguns alegam que muitos dos acontecimentos não foram registados, ou parte dos documentos foram destruídos. Mesmo incompletos tenham a coragem de os publicar. Alguém já os divulgou mas não foram esses ímpios sacrossantos que em nome das vitimas fazem campanhas para se auto promover.
Estaline foi um repressor do seu povo, mas houve outros do seu tempo, por os mesmos métodos, ou diferentes cometeram igualmente genocídios, assassínios e repressão. Um acto não desvaloriza o outro certamente, mas é fundamental não esquecer.
Quanto a Estaline e a URSS; Churchil quando da sua morte fez um comentário muito peculiar a seu respeito .___ Disse; foi um monstro sanguinário, mas herdou um país com arados de madeira e deixou-o provido da bomba atómica.
Como estadista, Estaline impulsionou uma nação pobre e subdesenvolvida, para o segundo lugar de potência mundial. No que não encontrava em primeiro lugar encontrava-se em segundo. Ainda hoje passados 17 anos da queda da URSS a Rússia em algumas áreas mantém a dianteira em relação aos EUA. Como é o caso da tecnologia espacial.
A época de Estaline foi um período de grandes feitos na área do desenvolvimento da URSS, mas também de crimes monstruosos, duas situações difíceis de conciliar. Milhões foram vítimas dos seus esbirros, e do terror em massa. Mas outros milhões uniram-se em campanhas heróicas, para criar uma grande potencia industrial e militar que salvou a humanidade de um sistema mais terrível que o seu, o Nazismo. Pode tentar alegar-se que foi o povo que enfrentou as hordas Hitlerianas, isso é um argumento sem consistência. É indiscutível que foi o povo que se bateu e pagou muito caro . Mas o povo organizado o povo dirigido, foi obra de Estaline. Se Estaline não tivesse à frente da URSS não tinham havido 26 milhões de mortos, mas também não tinha havido vitoria. Foi a URSS que suportou o embate da eficiente máquina de guerra Alemã e seus aliados, depois de toda a Europa ter sido esmagada e subjugada.

Sobre o desenvolvimento industrial da URSS. Li há anos um comentário de um (senhor) Roi Medvedev (que os Russos na sua maioria engoliram na perfeição). Dizia esse iminente analista que se não fosse o Socialismo, a Rússia nos anos cinquenta era a primeira potência mundial. Porque razão não recomendou ele essa receita milagrosa a Yeltsin de quem chegou a ser conselheiro? Ou aos seus seguidores? Merecia ser julgado como traidor!
Cin.naroda

Gilberto Mucio disse...

Jorge,

Voce quer argumentos? Então lá vai:

Em todos os índices economicos e sociais, e mais ainda de infrainstrutura, principalmente do ponto de vista per capito, os EUA davam um banho humilhante na Rússia feudal.

No setor de matalurgia, por exemplo, a proidução nos EUA era de 3 vezes maior a da URSS.

A Rússia feudal dispunha de 83 mil km de linha férreas, enquanto os EUA 417 mil e a Alemanha 63 mil. Isso significa que havia, por 10 mil habitantes: Na Alemanha, 8,5 km; nos EUA 31km; e na Rússia 5km.

A Rússia feudal produzia 0,2 automóveis por cada 100 mil habitantes; a França 4; e os EUA 28.

Na industria pasada:

-Extraçao de carvão
Rússia feudal -- 0,35 tonelada por habitante.
Grã Bretanha -- 5 toneladas
EUA -- 5,4 toneladas
Alamanha -- 2 toneladas

-Aço
Rússia feudal -- cerca de 45 kg por habitante.
EUA -- próximo de 250.
(proporções eram análogas para ferro e aço laminado)

Energia elétrica:

Rússia feudal -- cerca de 80kw/h por habitante.
Grã Bretanha -- 448kw/h
Alemanhã -- 472
EUA -- 450

Indústria de bens:

-tecido

Rússia faudal -- cerca de 35 cm de tecido por habitante(ano)

EUA e Grã Bretanha -- aproximadamente 500 cm.

(...)

Se eu tiver saco, vou procurar mais números, principalmente indicadores sociais.

Coisa como escovas de dentes/habitantes; sabonetes/habitantes, analfabetismo, doutores/habitantes, PhDs/habitantes

E diferença era constrangedora. Só um insano(ou ignorante completo) é capaz de comparar uma coisa com outra.

Ps.: não sou portugues, e sim brasileiro.

Jorge disse...

O problema de comunista é que ele é inteligente demais; excede muito a realidade.

Quem disse que os EUA eram 400 mil kilômetros de ferrovia em 1917?

"Esta é uma lista parcial das companhias ferroviárias operantes dos Estados Unidos da América. O país possui aproximadamente 240.000 km de ferrovias."

Se até hoje nunca chegou nos 250 mil?

O negócio de esquerdista é mentir para justificas suas paranóias ideológicas.


A medida PIB não havia em 1917 para mensuras com boa proximação técnica a realidade econômica dos dois países. É óbvio que por sua localização geográfica a Rússia absorvesse os avanços tecnológicos da Europa Industrial.O que se sustenta é que sua economia era aproximada com os EUA no começo do século XX e que os debilóides stalinistas fizeram só atrapalhar o curso normal da coisa. Se não fosse a vitória na Segunda Guerra e absorção de países como Alemanha Oriental, Hungria, Thecoeslováquia, a União Soviética teria se esfarelado bem antes de Gorbachev.

Insano é você! Citei essa comparação de ótimas fontes. Inclusive Paulo Francis dizia isso antes de morrer.

Insano é quem se mete a defender um imbecil como Stálin.

Pode escrever sua abrobrinhas que vou respondê-las. Conheço os esquerdinhas brasileiros direitinho; nasci numa família de muitos.

Você deve ser petista!

Jorge disse...

Quando a inteligência mundial saber que a grande revolução no mundo foi o Liberalismo vai ficar bem mais fácil entender a História para melhorá-la. Aonde seus fundamentos foram vencedores - EUA, Europa Ocidental, Japão, Coréia do Sul, Canadá e Austrália, liberdades individuais e boa qualidade de vida média foram resultados.

"A verdadeira revolução foi o Liberalismo; o marxismo foi a contra-revolução"!

Anónimo disse...

a maioria dos comunistas ou socialistas é estrume, estão ainda a um nivel inferior aos nazis(que tanto criticam, certamente para quererem fazer o papel dos bons).

se alguem aqui pretende fazer algo de util pela sociedade então que trate de criar uma empresa prospera e justa ou senão cale a boca.

é triste ver gente que não vale nada a dar lições de moral aos outros.

ps:este ultimo paragrafo é para ti mucio, tchau aí.

vasco,

viliki disse...

Viva Estaline !

SLAVA ROSSIYA !!!!!!

Francisco disse...

Caro Vasco:
A minha intervenção não foi de forma alguma a negação dos factos. Porque em respeito das vitimas que pagaram com as suas vidas só por terem pensamentos, religião ou raça diferente a minha consciência moral não permite, que por interesses políticos mesquinhos se omitam uns para enaltecer os outros. Não pretendo ter a verdade no bolso mas factos são factos. Foi isso que tentei fazer, pesquisar muito sobre o assunto.
O Senhor Vasco ao falar em estrumeira, considera que a história dos outros é escrita por vermes então faça-me o favor de dizer qual a história que lê, eu também estou interessado em consultá-la para tirar conclusões.
O senhor não quis compreender ou não foi capaz de compreender o que eu disse. Eu o que fiz ,foi tentar repor a verdade histórica. Agora se dispõe de outras versões dos factos lanço-lhe o desafio, por favor apresente-os. Mas não os invente porque isso é falta de honestidade.
Sobre Estaline ao que parece o Adamastor que tanto o assusta, não tenho mais para dizer na medida em que é uma personagem por quem não manifesto a mínima simpatia. Em memória das vitimas tentei repor a verdade na medida em que merecem respeito, face ao oportunismo politico repugnante de alguns senhores. Entretanto para o Senhor não ter mais pesadelos aconselho-o a fazer uma petição ao protegido Saakaschville, que mande retirar todos os símbolos dessa figura sinistra (Estaline) expostos por toda a Geórgia.
Quanto à URSS, mantenho tudo o que disse. Se o Senhor ou alguém dispõe de dados mais credíveis que aqueles que já aqui foram apresentados, despejem-nos. A não fazê-lo é mais uma prova que as afirmações de muita gente não passam de calúnias sem fundamento.
Desmentir é simples, mais difícil é prová-lo.
O seu relógio histórico parece que parou, ao fazer uso dessa intolerância e terminologia de taberna.
Não queira assim tanto mal aos outros ao aconselha-los a fazerem uma empresa nesta altura. O sistema que o senhor defende está no fundo, é chão que já deu uvas.

Tem que não esquecer uma coisa extremamente importante, a China e a Índia têm mais mão de obra que todo os países Ocidentais. Eles foram preparados para produzir o Senhor e eu fomos ensinados para consumir. O consumismo arruinou este sistema. E agora como se resolve isto? Só se nos aproximar-mos dos Chineses e dos Indianos! Aceita? Nem eu! Os Chineses e os Indianos de certeza que não se podem aproximar de nós, porque daqui a vinte anos, temos todos os recursos esgotados.
Está a ver o que o seu sistema económico/financeiro arranjou? A crise não é falta de produção, pelo contrário.
Ponha os olhos na catedral do capitalismo/financeiro (EUA), em Inglaterra, as aduladas, Irlanda, Islândia e Suécia, estão de rastos. Outro sinal não menos preocupante para vocês, há poucos dias foi efectuada uma sondagem na Rússia por o Centro Levada em que 58% dos Russos já preferem o sistema de economia planificada. Os Africanos aceitam morrer em silêncio, mas na Europa ou na América isso não vai acontecer. O que já se está a passar por toda a América Latina, se as coisas não mudarem ou que permaneçam assim por muito mais tempo vai chegar até nós.
Os 40000 mil soldados Americanos que já estão estacionados no México, são sinais de uma enorme inquietação. Não esqueça que existem no México dois movimentos de guerrilha em armas e mais abaixo os partidos de esquerda estão a conquistar o poder por toda a parte. E a vida dessas populações não está a piorar, pelo contrário.
Só falta quem acenda o fósforo.

Cin.naroda

Anónimo disse...

caro francisco,

vou definir o que considero estrume;

1-um comunista que segue uma filosofia de vida que no fundo, trata-se de acreditar e lutar por um sistema que pretende por os cidãos ao serviço do estado( por outras palavras, uma semi-escravatura)

ou...

2-um socialista, este não defende todos os principios do comunismo mas só "alguns", são mais pragmáticos.

É inegavel que um comunista ou um socialista(em menor grau) pretendem IMPOR a sua vontade e ideal de sociedade perfeita aos outros.
pode negar esta evidência.

se o sr. acredita nestas paranoias, então o sr. é um inimigo da liberdade, significa que o sr. não aceita que cada um de nós possa determinar o seu destino.

não vale a péna tornar a discução complexa e neste assunto a analise é mesmo à george bush!, este grande imbecil deu-vos grandes trunfos, a esquerda mundial neste momento é bem vista graças a este grande(pequeno) homem.

o sr. ou acredita na liberdade do homem e está connosco, ou então, está contra nós.


Sr. francisco ou até acredito que o sr. seja uma pessoa de bem e que defenda ideais que supostamente beneficiam a humanidade, mas eu já há muito "topei" a perversidade dessas ideologias e vou-lhe só dar 2 exemplos muito rápidamente;


os neo-comunistas e neo-socialistas estão sempre a criticar estaline, mas alguem pode acreditar que o comunismo na russia duraria 1 semana se não tivesse existido repressão?? a resposta é obvia.
a terapia aplicada na russia até podia ter sido muito pior caso o poder tivesse sido entregue a trostsky. já agora, todos sabem que o lenin era pior que o estaline(so nao teve tempo de o provar), mas lá continuam os comunistas a criticar o pobre estaline...

o segundo exemplo é do nosso tempo.

todos criticam o george bush pela crise financeira internacional e dão graças ao salvado obama e a sua suprema intelçigência que vai salavar o mundo.
mas gostaria só de referir um pormenor,, bem, que eu saiba foi a administração clinton que liberalizou o mercado de habitação nos EUA na decada de 90', o objectivo seria o de permitir às minorias o acesso à habitação, ora, se a causa deste cataclismo foi uma politica social para permitir às massas ter casa, como podem os politicos de esquerda estarem a acusar que a falha foi de mercado???!!

o mercado NUNCA falha, o que aconteceu é que as politicas sociais e de comércio toranaram-se tão complexas que o mercado entrou em rotura.
A culpa é dos politicos e dos cidadãos, a culpa é de todos.

vasco,

Anónimo disse...

qunado me refiro a george bush, refiro-me às politicas neo-liberais anglo-saxonicas.

pa: so mais uma coisa, se a sociedade portuguêsa alinhar nesta loucura internacional de passar novamenete para os estado o papel de força motriz da economia, então as gerações futuras vão pagar caro por este erro.

o país precisa de trabalho, de ideias de criação de empresas não precisa de parasitas que só sobrevivem graças a um estado social.
O país precisa de ser governado por gente que ame este país, portugal precisa de uma força nacionalista que lute pela nossa amada pátria.

vasco,

Jorge disse...

É até bom que muitos países se metam em estatizações e sua variante brilhante conhecida como planificação centralizada. Desde que não seja meu país. Que trilhem tal caminho o Paraguai, a Bolívia, o Uruguai, e se esborrachem. Quem sabe assim a lógica esquisita de nossa geopolítica se conserte e sejamos 30 estados da República Federativa do Brasil no futuro.

Penso que se não tivesse havido o fenômeno Gorbatchev, os investimentos estrangeiros seriam bem mais presentes no Brasil da estabilidade monetária conseguida pelo plano Real; e sem Deng Xiao Ping muito mais ainda. De modos que não teríamos a concorrência nos fluxos de investimentos na Europa Oriental e China.

Se o Plano Cruzado de 1986 tivesse dado certo como o Real de 1994, talvez nosso salário familiar médio fosse de R$ 6.000,00 mensais e não os R$ 2 mil e poucos de hoje, e o nosso mínimo de R$ 1.000,00; com os valores de hoje de bens e serviços, seria um grande avanço de renda do populacho brasileiro.

Cláudia. disse...

Estes comentários estão tão ridículos. Tirando uma ou outra pessoa que realmente tem noção daquilo que está a falar, independentemente de serem simpatizantes da ala esquerda ou não, o resto são simplesmente "filhos do sistema". Acreditam naquilo que lhes espetam à frente e defendem isso porque preferem não pensar por si.

Não se pode negar factos históricos, mas temos de ter em conta que aquilo que nos é ensinado, é-o feito de forma a parecer pior do que aquilo que é face à sobrevalorização do sistema actual (capitalismo). Há sempre coisas positivas e negativas, temos é de ter em conta qual dos dois é mais significativo.

Não, não se pode comparar Lenine a Estaline.
Sim, ambos mataram, mas não comparem a acção de Lenine com a de Estaline.
Falaram em Trotsky, e sim, talvez as coisas tivessem sido diferentes com ele. Sim, ele era adepto fervoroso da revolução internacional, como todos os verdadeiros marxistas são. Qual é o problema disso? É que realmente, a luta internacional faz parte da ideologia, foi simplesmente esquecida por Estaline e por Mao, juntamente com mais umas quantas coisas...As pessoas quando falam do Marxismo/Comunismo, deviam ter em conta a ideologia e a transformação politica criada por um conjunto de ditadores que, infelizmente, levaram o nome "comunismo" a ser conhecido.
Um marxista sabe perfeitamente que a China não é comunista, que a URSS Estalinista não era comunista, que Cuba não é comunista. São tentativas talvez, mas não representam realmente a ideologia (aliás, neste ultimo caso, temos a mítica frase dita por Fidel em que assume que não é comunista).

Quanto aos mortos e tudo mais...Alguém falou da revolução francesa e americana, em que se atingiu o liberalismo sem haver uma situação tipo Rússia a seguir. Esquecem-se é de como foi o antes e o depois da rev. francesa. Da quantidade de mortos desta revolução ninguém tem nada a apontar. Numa revolução há sempre mortos, há sempre sacrifícios a serem feitos, visto que é algo feito contra outro algo.
Querem falar de mortos? Vamos falar da quantidade de africanos (e quem fala em África, fala na Ásia pobre) que morrem actualmente devido ao imperialismo americano/ocidental? Querem falar da invasão do Afeganistão? Okay, vamos falar também da guerra do Vietname? Hum, talvez do Iraque também? É mais actual.
A Guerra Fria existiu porque causa do antagonismo politico. Não houve um culpado. Aliás, quem começou com a campanha anti-comunista foram os EUA, cheios de medo de deixarem de ser a 1ªpotencia mundial e porque o proletariado se tornava cada vez mais simpatizante da luta marxista. a URSS limitou-se a promulgar a sua ideologia, apoiando os movimentos comunistas nos "novos países" ao mesmo tempo que a América fazia o mesmo com os partidos democráticos. Não critiquem a atitude soviética neste caso, visto que ambas a partes agiram de igual modo.

Realmente o engraçado, é que estes filhos do sistema, são tão obedientes que não se apercebem de como o Ocidente é cada vez mais parecido com uma ditadura. Cada vez mais parecido com a URSS.
Temos organizações secretas que se envolvem em crimes e coisas, temos prisões que não respeitam os direitos do Homem, temos censura a dar "c'um pau" (mas uma censura inteligente), temos populações a morrer à fome, somos escravos da economia e do consumo, a desigualdade entre famílias é cada vez maior, de X em X anos, chegam as crises que abalam as estruturas, invadimos países, ditamos leis que favorecem os países desenvolvidos e prejudicam os em desenvolvimento, até a repressão policial em menos escala existe! Só nos falta o culto à personalidade...

E não, não sou a favor do culto a Estaline por tudo o que fez. Só acho que as pessoas para criticarem alguma coisa têm de ter moral para o fazerem, e a maioria não o tem, visto que defende um sistema que é igual ou pior do que algumas personalidades politicas como Estaline.

MSantos disse...

Sr Francisco

Permita-me fazer uma pequena correcção nas sua observações.
A Suécia não está no rol dos países em descalabro económico (pelo menos por enquanto). Está a sofrer a crise como todos também com empresas e fábricas a fecharem numa base semanal mas de todo o quadrante ocidental tavez seja um dos países melhor preparados para suster o embate.

Sei disto porque conheço muito bem o país e visito-o regularmente no desempenho da minha actividade profissional.

Relativamente á ideologia que defende, já referi neste blog, que ao contrário do fascismo/nazismo ou até das ditaduras de direita que existiram, o comunismo encerra na sua definição e propósito principal, o objectivo de progresso e igualdade de oportunidades a todos, o que invariavelmente o torna diferente dos princípios perversos das ideologias de direita em que terá sempre de existir uma elite a dominar os restantes.

No entanto a história já provou o brutal falhanço do comunismo e infelizmente foi sempre comandado e dirigido pelos piores facínoras da História. A própria China prova-o todos os dias ao dizer-se comunista mas em ter uma das economias mais capitalistas que há.

Na minha opinião, os propósitos devem manter-se, mesmo nas sociedades capitalistas e aqui volto a repetir-me, os melhores regimes políticos e sistemas governamentais que alguma vez o Homem conseguiu estão nos países nórdicos onde a economia de mercado funciona livremente até o Estado definir e impôr as devidas regulamentações, nomeadamente nos três pilares fundamentais, a educação, a saúde e a justiça.

O resultado deste balanço harmonioso e equilibrado basta constatar no nível de vida (classe média baixa) mesmo dos habitantes menos favorecidos nestes países.
Obviamente não são sociedades perfeitas e muito longe ainda da justiça social óptima.

Voltando á Suécia, havia um homem que sonhava declaradamente reunir todos os benefícios do capitalismo e comunismo numa 3ª via. Infelizmente houve alguém que decidiu que Olof Palme não podia continuar a viver.

Isto só para lhe dizer que há pessoas que embora partilhem dos seus objectivos a nível de sociedade, entendem que há outros caminhos para os atingir.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

Cláudia

Apesar de não partilhar de todo, as suas convicções políticas tenho de concordar em pleno com o final do seu texto, a partir do parágrafo:

"Realmente o engraçado, é que estes filhos do sistema, são tão obedientes que não se apercebem de como o Ocidente é cada vez mais parecido com uma ditadura. Cada vez mais parecido com a URSS."

Cumpts
Manuel Santos

Jorge disse...

A stalinismo foi um legítimo representante da experiência prática marxista. O Estado entronizado como senhor da propriedade e da renda, no seu máximo possível, faz parte dos pontos de vista de Marx na sua famosa demanda com Bakunin e outras situações; Stálin fez conforme o pé dessa letra. O idealizado novo papel do Estado para uma etapa posterior a ditadura do proletariado não aconteceu na União Soviética exatamente por causa da contradição imposta pelo seu contrário, o capitalismo.

A questão da coletivização da propriedade e da renda dos meios de produção é fundamento marxista desde o Movimento Comunista.

Qualquer um que queira reeinventar o marxismo prático se meta a tal empresa e não se esqueça de tentar cooptar Raul Castro que, parece, está buscando alternativas de mercados para suas questões econômicas falidas. Mas que fique bem longe do meu país!

Jorge disse...

Para comparar Ditadura ou Democracia tem que se puxar a definição correta para ambas. E é bom considerar a prática ditatorial do Brasil até 1984, por exemplo, com a prática cubana até hoje.


"Ocidente é cada vez mais parecido com uma ditadura. Cada vez mais parecido com a URSS." Os sistemas jurídicos de ambos se aproximam numa comparação ideal? Em qual país do Ocidente Liberal se verifica esse processo? Canadá? EUA?

A humanidade tem que ficar longe do modelo de Estado da ex-URSS; bem longe!

Anónimo disse...

o problema da analise destes temas é que as pessoas tendem a tornar a discussão pouco abrangente e complexa.

é ironico ouvir pessoas afirmar que a URSS, cuba, coreia do norte, cambodja etc não foram ou são(alguns) comunistas.
Normamente essas mesmas pessoas nunca se lembrarm de referir 1 unico exemplo de sociedade ou grupo em que o comunismo tenha funcionado.

essas pessoas tÊm de comprender que as pessoas têm vontade própria e toda e qualquer regime que siga uma ideologia que imponha valores ao individuo acaba mal.

vasco,

Inácio Cristiano disse...

1.Cara Claúdia

"Um marxista sabe perfeitamente que a China não é comunista, que a URSS Estalinista não era comunista, que Cuba não é comunista. São tentativas talvez, mas não representam realmente a ideologia"

O que um "marxista" sabe ou não sabe não é muito relevante, embora você advogue que lhe conhece o "saber".

Aos marxistas de referência sempre ouvi dizer que a URSS era o sol da terra.
Noutras versões mais académicas ouví que o papel de sol era desempenhado pela Albania; China; Coreia do Norte ou mesmo o Camboja de Polpot.

Por aquilo que conheço de Africa faz desta o melhor exemplo do resultadoda da luta de classes travada pelas elites marxistas: os sargentos e soldados contra os capitães dos exercitos ditos nacionalistas, tudo monitorizado em ambiente de "guerra fria".
Quanto ao numero de vitimas destas "revoluções para nada" incluindo aquelas dos ditos "Sois da Terra" parece não perturbar a Claudia.

2. Caro MSantos
"Voltando á Suécia, havia um homem que sonhava declaradamente reunir todos os benefícios do capitalismo e comunismo numa 3ª via. Infelizmente houve alguém que decidiu que Olof Palme não podia continuar a viver."

Em 1986, estava eu na Guiné-Bissau a trabalhar num projecto de assistência patrocinada pela ASDI, Agencia sueca ao desenvolvimento quando aconteceu esse funesto evento (assassinato de Olaf Palm).
Glória eterna a esse grande homem, que amava os povos, antes de odiar as classes desses povos.
Os suecos dignificam o trabalho e consequentemente os trabalhadores!
Os facinoras que levantaram a bandeira marxista (sem culpa deste) alimentaram-se do indigno trabalho escravo, mostrando desprezo pelos trabalhadores e manipulando-os pela ignorância.
Nunca será demais recordar recordar às gerações vindouras homens da estirpe de um Olaf Palm.
Muito obrigado

Anónimo disse...

Estaline um marco incontornavel na historia da humanidade, para uns bom para outros mau apesar de que "O Mau Também Pode Ser um Bom Amigo", mas sem entrar em demasiadas demagogias e frases sem nexo providas de um incontornavel vazio de conteudos palpaveis,factos concretos como algumas que tenho lido, embebidas em mentira e falsidade com o unico preposito de desacreditar uma personalidade como Estaline.Poucõs são os blogers que possuem argumentos como o Francisco ou a claudia em que explanam os assuntos de uma forma concreta.
Quem foi afinal Estaline?
Partizan

Jorge disse...

Os escritos das variantes marxistas são bem massificados na América Latina; elas dominaram, e dominam, o pensamento sociologico nos meios acadêmicos, influenciando definitivamente qualquer interpretação da parte.

Não vai ser fácil reinventar o marxismo. Seus partidários conversaram e escreveram demais. Depois da Queda do Muro de Berlim tudo virou esgoto. Não adianta chiar.

Não sabemos nenhuma contribuição da civilização marxista para o bem da humanidade. Tiveram a metade do mundo na mão, população e território, e não se sabe de suas criações científicas capazes de favorecer a vida. Celular, computador, fármacos, etc., não tem participação da turma iluminada demais ao contrário.

O marxismo é maior fraude, de todos os tempos, do pensamento mundial. Se ele tivesse vencido em todo o mundo, desde 1917, nossa renda média seria um vigésimo da que temos hoje. Comparando a renda média cubana com a renda média canadense chega-se a uma boa compreensão.

Gilberto Mucio disse...

Jorge,

os EUA no comeco do sec XX tinha mais linhas ferreas que hoje. NAo havia tamanha quantidades de carros e caminhoes, e tudo dependia de linhas ferreas.

Esses sao dados concretos(sobre a Russia feudal). Nao ha o que contestar, como voce nao contestou.

Sou viceralmente contra a Stalin e sua doutrina, que tinha menos de marxista que qualquer outro pais dito capitalista.

E continuo achando voce insano e histerico.

Jorge disse...

Gilberto, eu não vou nem atrás do que você falou. Mesmo que os EUA possuíssem índices melhores do que a Rússia em 1917, ou no começo do século, seu enorme território - que incluia a Polônia e outras regiões, as mesmas que a turma do Lenin entregou para Kaiser -, inesgotáveis recursos naturais -até hoje! - , grande população e proximidades com o máximo da evolução científica, industrial e comercial, que os eram de fato Alemanha, Hungria, Áustria e países bálticos, fariam os dois países caminharem juntos em poderio econômico.

Entendeu? Ou petista não dá conta?

Não venha com essa dos 400 mil kilômetros de ferrovias de novo não!

Jorge disse...

DOMINAÇÕES COMPARADAS, é o começo de qualquer mensuração às qualidades políticas das nações. Um é antibritânico, outro antiturco e a maioria antiamericano, etc.. Que se embase bem quem se propõe opinar; segundo a Bíblia, não existe palavra vazia, e quem a emite se torna responsável por ela.

"A dominação política do Estado abrange questões externas e internas. As questões externas são chamadas de diplomacia. Qualquer esforço em comparar a qualidade da ação política deve considerar, para uma visão objetiva, essas duas áreas de atuação do Estado.Dominação é inerente à natureza política das civilizações e dínamo da história.Só é possível afirmar que uma dominação é ruim ou boa em relação a outras, com comparações dos resultados para a qualidade de vida do indivíduo passivo de tal ação. Naturalmente, a pior política possível é causar mortes e sofrimentos de pessoas.No séc. XX nove países foram atores de peso na história: Japão, China, Turquia, Itália, Alemanha, França, Reino Unido, Rússia/União Soviética, EUA.Todos tiveram suas respectivas áreas de dominação.

A I e II Grande Guerra e a Guerra Fria marcaram definitivamente a história no período e causaram grandes tragédias sociais.

A I Grande Guerra, com cerca de 20 milhões de mortes foi resultado das diplomacias da Alemanha, Rússia, França, Turquia, Reino Unido, Itália e França. Os EUA, na época, por força de princípios próprios, eram isolados das questões européias - o que mudaria a partir da II Guerra - entraram no conflito direto bem no fim. Os paises europeus causadores dessa mortandade eram todos colonialistas e a maioria bem fincada no continente africano. A Turquia, segundo consta, teria praticado um genocídio, entre 1915 e 1917, de 1.5 milhões de armênios; a dominação Turca foi boa para os armênios?

Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Japão, Rússia - na época União Soviética – fariam um novo conserto sangrento na II Grande Guerra, iniciada no ataque alemão a Polônia em consórcio com os soviéticos. Novamente os EUA não participaram da sua formação e foi arrastado diretamente para o conflito pelo ataque japonês de 7 de dezembro de 1941 à Pearl Harbor. Essa guerra foi campeã de todos os tempos em atrocidades e teria causado 50 milhões de mortes. O uso de armas nucleares pelos EUA no Japão foi a grande novidade tecnológica bélica do evento e causou mais de 200 mil mortes. Esse episódio foi um tapa da história no Japão, que na luta expansionista de sua área de dominação anexara a Coréia em 1910 e em 1932 invadira a China com uma brutalidade de 10 milhões de mortes. A dominação da Alemanha de Hitler praticou extermínios de judeus, ciganos e eslavos, bem conhecidos. Stalin, para instalar a pureza comunista na União Soviética, teria matado mais de 20 milhões de soviéticos e causado muito sofrimento no Gulag. A França, a mocinha da liberdade, pouco tempo depois se envolveria em uma guerra colonialista na Argélia -terminada em 1962 - com resultado em torno, dizem, de 1 milhão de mortes.

Na Guerra Fria se defrontaram os EUA e a União Soviética, pesando muito as questões ideológicas; cada um com sua área de dominação e os EUA praticando a teoria da contenção ante a expansão comunista Os grandes conflitos bélicos foram a Guerra da Coréia e a do Vietnã. Os EUA entraram no conflito da Coréia com o aval da ONU, sem a União Soviética exercer seu poder de veto. A China participou da guerra ao lado da Coréia do Norte. Segundo um ex-secretário de estado dos EUA a guerra do Vietnã foi um dos maiores erros da diplomacia americana e um peso na história do país.A dominação chinesa de Mao atingia em 1949, um quarto da população do globo.A instalação do comunismo, nos tradicionais massacres e políticas econômicas equivocadas, segundo consta, teria provocado a morte de 60 milhões de chineses. Deng Xiao Ping afirmara “que a revolução cultural não provocara a morte de um milhão de pessoas”; mas tal cifra como referência já é coisa grave. No quintal chinês aconteceu o fenômeno sinistro Pol Pot do Camboja, que afirmara em entrevista, que 600 mil pessoas morrera na ação revolucionária comunista; outros falam que os números atingiram mais de 2 milhões de mortes .

Comparar dominações é respeitar a história."

Jorge disse...

Antônio Gramsci em 1918:

"Este é o ímpeto vital da nova história russa. Que há nele de utópico? Onde está o plano preestabelecido que se quer realizar contra as condições da economia e da política? A revolução russa é o domínio da liberdade: a organização funda-se espontaneamente, não polo arbítrio dum ""herói"" que se impõe pela violência."

Ele não conseguiu foi se acertar com Stálin. Deu no que todos sabemos.

Mas tem muita gente hoje em dia querendo readequar o marxismo. Canseira.

OBs.: Criticar cachorro morto é muito fácil.

Inácio Cristiano disse...

Carissimo Jorge

Você é provavelmente um apreciador de história, mas confunde a importancia dos personagens e os papeis que cada um deles desempenhou na realidade.
Você tenta processar a informação, mas esteja atento a esta Verdade:-Cada um "vê" a questão conforme ele próprio é, e não como a questão era na realidade, no seu preciso tempo e lugar.
A propósito de um esteriótipo que repete com alguma frequência sobre "colonialismo" e seus maleficios:

"Citação do presidente Machel de Moçambique quando visitou amaior Barragem Hidroelectrica de Africa"

"Esta maravilhosa obra do género humano constitui um verdadeiro hino à inteligência, um promotor do progresso, um orgulho para os empreiteiros, construtores e trabalhadores desta fantástica realização. Cahora Bassa é a matriz do desenvolvimento do Moçambique independente. Os trabalhadores moçambicanos e portugueses, fraternalmente, juntando o suor do seu trabalho e dedicação, garantem que este empreendimento sirva os interesses mais altos do desenvolvimento e prosperidade da R.P.M. Moçambicanos e Portugueses consolidam aqui a unidade, a amizade e solidariedade cimentadas pelo aço e betão armado que produziu Cahora Bassa. Que Cahora Bassa seja o símbolo do progresso, do entendimento entre os povos e da paz no mundo.
Fim de citação

Obs.-A Barragem foi construida enquanto Moçambique era colónia de Portugal, o povo de Portugal só em 2008 liquidou o financiamento da construção.

Francisco disse...

Caro Vasco
Não entendo o que significa para si liberdade. Liberdade para quê? Liberdade de quê. Liberdade para legitimar políticos corruptos, que afastam o povo de toda a vida social para depois quando dele precisam lhes pedir o voto em campanhas folclóricas pagas a peso de ouro? A liberdade não se pode restringir ao mero acto de votar, mesmo esse o povo deve ser e estar devidamente esclarecido, para o fazer em consciência. Não confunda manipulação e obscurantismo com liberdade. O Senhor pode faze-lo em plena consciência, porque está a defender os seus interesses, sabe o que quer. Agora isso que defende é promiscuidade social, que é totalmente diferente.
Liberdade de quê? Ser excluído desde o dia em que se nasce até morrer? A não ser que saia um grande espertalhão e tenha o dom de vigarizar para subir na vida!

Não ter acesso à habitação, à saúde, ao ensino, à cultura, à parte justa dos bens que produz, a um apoio digno na velhice. Isto não é liberdade é negação violenta da mesma. Nem tão pouco semi-escavatura como afirma, é escravatura na sua plenitude!
Quanto a usar repetidamente essa vaniloquência contra a URSS, servindo-se de Estaline. Só o faz porque não dispõe de mais argumentos. De acordo que um fim nobre não justifica meios ignóbeis como o fez Estaline. O bem em caso algum pode ser imposto pela força.
Mas não são pessoas que defendem ideologias ou sistemas como o Senhor, que podem ter a mínima racionalidade para criticar, quem cometeu crimes idênticos aos vossos (que ainda hoje invadem e ocupam outros países tentando impor a liberdade pela força, provocando centenas de milhares de mortos inocentes e empurrando milhões de outros para o exílio e campos de refugiados) A vossa moral encontra-se tão manchada como a de Estaline, na medida em que a história não começou no período Estalinista, para isso recuem um pouco até à escravatura, inquisição, passando pelo colonialismo, terminando nos nossos dias.
Em que num mundo que se debate com excesso de produção. Permite-se que o numero de crianças mortas ANUALMENTE pela fome e doenças motivadas pela subnutrição, ultrapasse as mortes anuais durante a ultima Grande Guerra (mais de 11 milhões, Jean Zigler em O Império da Vergonha).
O senhor e aqueles que criticam a URSS há muito que perderam toda a dignidade moral para fazer qualquer tipo de reparo, na medida em que se apoiam, defendem e vivem de um sistema não menos ignóbil que o Estalinismo. Assassinam, atiram para a miséria e exclusão milhões dos seus semelhantes, com o objectivo único do lucro e acumulação de riqueza. Não rejeito a liberdade como diz, rejeito sim homens livres a morrer de fome.
Sobre essa idiolatria do Deus mercado. Não sei como me sentiria hoje se tivesse a vossa opinião? Deve ser frustrante para alguém que sempre se opôs à intervenção do Estado na economia, assistir a esse mesmo Estado intervir para salvar empresas, implementando métodos de economia Socialista, preconizados por Marx e Lenine.
Senhor Vasco de certeza que é um bicharoco difícil de engolir, deve ser mesmo mau de tragar porque o que vocês têm atravessado na garganta já não é um sapo, é um crocodilo.
Quanto ao resto, enquanto não fundamentar o que afirma, entendo-o como mera retórica.
Para o Senhor Jorge: sabe que o Brasil é rico em recursos, sendo assim porque motivo existe um número tão elevado de indigência no seu país? Será que a miséria e a exclusão já fazem parte da vossa cultura? O Senhor Jorge não confunda o PIB e a produção de riqueza com o bem estar da população! São situações bem distintas. Manda a santa prudência que quando temos telhados de vidro não atiremos pedras ao ar. Por sinal sabe dizer-me qual o IDH (baseado no PNUD) de alguns países da América Latina? Ao que parece tem problemas bem mais complicados para ajudar a resolver que aqueles que está a criticar. O Senhor Jorge tem que não esquecer a Operação Condor e outras coisas bem mais dramáticas de ontem e de hoje.

O Senhor Jorge tem que se deixar desses subterfúgios supostos e prováveis. Não se esconda atrás de probabilidades fantasmagóricas. O que era a Rússia antes de 1917? E no que está transformada hoje? Se sabe diga-o!

Francisco disse...

Senhor M.santos
Não proferi a palavra descalabro. Disse está de rastos, que é diferente. Na multinacional onde trabalho temos alguns Suecos, o que me dizem é que o desemprego, a insegurança a toxicodependência, já começam a ser motivos de preocupação. A somar a tudo isso estão os milhares de refugiados que receberam nos últimos anos. Acontece num país que era uma referência a nível mundial.
Todos sabemos que os países Escandinavos são geridos por Sociais Democracias e como muito bem diz assentes na economia de mercado. Mas ao contrário do que por ai existe, são sistemas baseados na justiça social em que todos os seus cidadãos usufruem de direitos para terem uma vida condigna. São chamados a participar na tomada de decisões que lhes dizem respeito ao nível da sociedade. Portanto não é um qualquer capitalismo selvagem e desregulamentado. Estou plenamente de acordo com as suas palavras quando afirma que é sociedade que mais se aproxima dos valores democráticos. Estou totalmente em desacordo quando cita Olof Palme um homem que combateu toda a vida ideias e sistemas , que o Senhor aqui manifestamente defende.
Para criticar o Socialismo bem podia ter inventado outro paradigma mais válido sem ter que recorrer à China. O que lá acontece é um capitalismo sem regras que produz bens para as empresas pertença deste neoliberalismo que o Senhor Santos aqui costuma idolatrar. Por isso é melhor deixarmo-nos de blasfémias, seja-mos honestos na medida em que, vocês amantes deste sistema caduco, o que mais se importam é com os trabalhadores Chineses ou de qualquer outra parte do mundo.

Quanto a tentar conectar-me com alguma ideologia que não seja do seu agrado, engana-se. Posso defender determinados princípios ou bases morais e sociais mas não estou preso como já aqui o disse. A mitos, vícios, credos, partidos, ideologias. Também não vivo entre o céu e o inferno, portanto não sou daqueles que evita o mal por medo de ser castigado por um qualquer bobo cósmico. Evito o mal porque a minha consciência assim o determina. Quando pratico o bem não é esperando ser agraciado por qualquer outro ser imaginário e invisível. Os meus pecados carrego-os todos comigo, não os vou deixar em nenhum sacrossanto lugar, ficar aliviado e de novo sentir-me tranquilo para voltar a praticar mais patifarias contra o meu semelhante.
Voltando ao tema Estaline que é base da nossa discussão. Os seus inimigos transformaram-no num pergaminho onde vão sacar todos os feitiços malignos para preparar a poção com que se tentam proteger dos seus demónios. Desejo que a bem da humanidade essa direita escabrosa, não siga o exemplo dos Romanos, que de carrascos de Cristo passaram a venera-lo, cometendo crimes e torturas em seu nome.
Como aqui já o manifestei várias vezes. Se fazer a negação dos factos é desonesto e faltar o respeito às vitimas, pretender retirar dividendos políticos da situação não deixa igualmente de ser grave.
A verdade é que o numero de vitimas da repressão de Estaline, se tornou num circo onde os gladiadores exercitam as suas forças para ver quem obtêm melhores resultados.
Senão veja-se: Jean Ellestein, em a História da URSS, avaliava em alguns milhões o numero de deportações. Depois Charles Bettelheim em As Lutas de Classes na URSS, falava em 1,62 milhões para os anos de 1931 a 1937 e de 4,32 para 1938 (ano das grandes purgas)acreditando que este numero lhe parecia demasiado elevado. Alguns Euro comunistas “onde está essa gente?” avançavam com o número de 10 milhões de mortos (mencionavam já mortos e não deportados).Depois André Glucksmann (ex Maoísta) primeiro referia 15 milhões de mortos prováveis, para depois falar em 40 milhões de mortos provavelmente. Soljenítsin em Arquipélago de Gualag, cita 66 milhões de mortos o tributo pago pelos povos Soviéticos à ditadura. Michael Voslensky em Nomenklatura eleva para 110 milhões de vidas humanas.
Para não falar de Hanna Arendt e das suas simetrias em A Natureza do Totalitarismo e outros mais alguns já aqui falados.
Afinal qual a conclusão a tirar desta disparidade de números? Vamos dizer que não aconteceu nada? Vamos negar que o terror não caiu durante longos anos sobre o povo como uma pesada cobertura de chumbo? De modo nenhum! Isso seria colocarmo-nos ao mesmo nível da indecência daqueles que à custa das vitimas pretendem retirar dividendos políticos e económicos. Também não podemos é permitir que se façam contas de merceeiro na ordem do horror. Exija-se que se divulgue a verdade apenas.
Estes truques de linguagem em vez de se limitarem a definir o inimigo, constituem-no. Para preencher todas as premissas do vilão a odiar e a combater. Foi assim no Vietname, com o Irão, com Eduardo dos Santos até cair nas boas graças, Bin Laden ,Sadam. Etc……
Cin.naroda

Anónimo disse...

caro francisco,

eu não sou tão básico ao ponto de criticar que tuda na URSS era mau, muito pelo contrário, até para lhe ser franco, era um grande potência e não tinha nada a ver com a podridão em que se tornou o ex-espaço soviético, o povo e os individuou são sempre capazes de grandes feitos em qualquer forma de governo. As pessoas que criticam tudo que vinha dos países comunistas têm é fraca capacidade cognitiva.
A URSS tinha coisas boas tal como tinha coisas boas a alemanha nazi, mas muita gente cegamente continua a se cega ao olhar para a história.

Eu não lhe vou citar argumentos ideologicos ou poliquices, porque como já disse, isso só confunde a cabeça das pessoas.

So lhe poderei falar da minha experiência pessoal, para mim, viver sem liberdade é viver sem dignidade e honra da mesma forma ter uma boa casa, um bom carro, enfim, uma boa qualidade de vida sem no entanto ser capaz de escolher e pensar livremente é da mesma forma indigno.
Eu sou um jovem e convivo com pessoas da minha idade, a maioria dos jovens que segue "ideiais" socialistas só quer viver às custas dos outros, não lutam por nada nem têm ambição!
da mesma forma conheço jovens que vivem por bens materiais e nada mais, o que logicamente tambem é mau.

como vê, são dois lados da mesma moeda.

eu luto por uma sociedade a honestidade e o valor individual de cada um seja valorizado acima de tudo, em que cada um decida o que é certo e o que é errado sem que tenha de ser o estado a decidir pelas pessoas aquilo que é e o que não é.

meu caro, é esta a nossa diferênça, o sr. acredita que o colectivo decide por todos e eu defendo que devemos aprender uns com os outros.

vasco,

MSantos disse...

Sr Francisco

Antes de mais, ao conotá-lo com determinada ideologia, tem a ver com as suas regulares declarações que defendem sempre o marxismo-leninismo e não estou a fazer nenhum juízo de valor, respeito em pleno as suas convicções e aceito-as (mesmo estando em eventual discordância) e não é meu objectivo fazer o Sr mudar a sua opinião, estando apenas a constatar um mero facto.

Espero que o respeito e tolerância funcione nos dois sentidos.

Gostava que me explicasse aonde fiz tal constatação em que apregoe o neo-liberalismo ou em tudo o que defendi seja oposto aos princípios de Olof Palme (conciliar uma economia de mercado com um estado social, juntando os benefícios da capitalismo e socialismo).

Perdoe-me ser tão analítico mas só consigo encontrar 2 razões para a sua afirmação:

- Má interpretação do que tenho referido neste blog

- Pôr no mesmo saco todos os que não pensem da nossa maneira

Sinceramente Sr Francisco, quero crer que é a primeira.

Cumpts
Manuel Santos

Cláudia. disse...

Inácio Cristiano:

"Por aquilo que conheço de Africa faz desta o melhor exemplo do resultadoda da luta de classes travada pelas elites marxistas: os sargentos e soldados contra os capitães dos exercitos ditos nacionalistas, tudo monitorizado em ambiente de "guerra fria"."

É verdade, África foi realmente palco da guerra fria e pior ainda! Foi palco da guerra fria e "largada" ao abandono quando deixou de interessar ao Ocidente, ou melhor, dá mais jeito ao Ocidente ter África como ela foi/é do que fazer qualquer coisa para tornar aquela região um local em paz. Mas não me vai dizer que a culpa da situação africana é do comunismo, pois não?

"Quanto ao numero de vitimas destas "revoluções para nada" incluindo aquelas dos ditos "Sois da Terra" parece não perturbar a Claudia."

A URSS e a China foram consideradas durante muitos anos (e ainda o são) como exemplares do comunismo. Eu compreendo que para algumas pessoas o seja, visto que a URSS representou a "alternativa" e fomentou muitos movimentos comunistas revolucionários, como os africanos, por exemplo. Estas coisas não são novidade.
E por acaso já estava à espera que alguém fosse pegar nas vitimas. É típico. Acontece que eu não sei o que é pior: as vitimas do comunismo ou as vitimas do capitalismo. Ou até sei...


E já agora...

Jorge:

"Não sabemos nenhuma contribuição da civilização marxista para o bem da humanidade."

Epá, os portugueses sabem! Ou não andassem a ir a Cuba para umas operações médicas que em Portugal demoram anos com as suas listas de espera negras.
E os jovens que lá vão estudar também devem saber alguma coisa. E a UE também sabe algumas coisas boas, ou então não mantinha a relação comercial com a China. Isto há coisas do Diabo, ahm?

"Não vai ser fácil reinventar o marxismo."

O marxismo não pode ser reinventado. O marxismo só funcionará se for totalmente levado à letra, coisa que não aconteceu e resultou em Estalinismos e Maoísmos e mais coisas deste género. Coisa que nunca foi, sendo que aqui tem a resposta ao porque da China, URSS, etc. não serem Comunistas. Aliás o grande problema dos países comunistas actuais foi mesmo isso: tentar modificar a ideologia = erro, grande erro.

E já que me parece um grande admirador de história (pelos comentários) tente ver e não olhar para os factos. Olhar é fácil demais, agora ver é que nem por isso.

Jorge disse...

Dona Cláudia, obrigado pela gentil referência. Mas continuo com meus textos.

Inácio Cristiano disse...

Cara Claúdia

Citando uma máxima do antigo presidente americano Abrahan Lincoln:"Às vezes é preferivel ficar calado correndo o risco de nos tomarem por tolo, do que ripostar com um argumento e acabar com todas as duvidas!"
-A forma como ripostou, tirou todas as dúvidas acerca da "profundidade" dos seus argumentos politico-sociais.
Cumprimentos

Jorge disse...

É contribuição para a civilização algo diferenciado do que havia antes e que serve para à grande maioria da humanidade. Se não for assim o plantador de uvas, o mecânico, ou outro qualquer entra nessa gloriosa categoria. O antibiótico, diclofenácos, viagra, são importantes em todos lugares, embora esses lugares tenham também médicos, hospitais, mecânicos e parrerais.

Não sabemos quais foram às contribuições da civilização soviética e associados mundo afora, para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Os massacres de Stálin, Mao , Pol Pot, serviram apenas para controle da população mundial. Talvez os 100 milhões mortos, ou mais, fossem 500 milhões com o curso normal da vida, hoje. Não podemos chamar isso de contribuição à humanidade. Podemos?

Oh Well, Okay. disse...

Inácio Cristiano:

Devemos argumentar sempre, mesmo que sejamos tomados por tolos, em vez de permanecermos em silencio, deixando outras ideias (tomadas como certas e sendo erradas) continuarem a existir. :)

viagenssemsairdolugar.com disse...

tomamos nossas conclusões em temas que estudamos em livros ou em outros tipos de aprendizado, mas viver e sentir no presente ou em vestigios
do passado um regime politico de um outro país, nunca saberemos de fato o sentimento do povo sobre aqueles que lideraram seus regimes, por isso idolatrar lideres como em alguns casos os chamados leninistas devemos ir com calma pois a história dos livros é bem mais passiva que a vida real.

Luciano disse...

Não se pode tirar conclusão nenhuma do que foi escrito porque não é possível saber das intenções de quem postou. O mais honesto parece ser José Milhazes, que deixa oseu currículo. Sabemos que ele é formado e prestigiado através do inútil e nocivo curso de Letras, mas ele tem a vantagem de dar a cara para bater.
É óbvio que ele vai preferir o sistema econômico que mais facilmente o livrar de virar uma massa ou sentar um tijolo.
Os outros, por favor, identifiquem-se.