sexta-feira, agosto 12, 2011

Finalistas guineenses sem meios para regressar ao país


Cerca de 27 alunos guineenses que terminaram universidades em várias cidades russas não podem regressar ao seu país, pois as autoridades de Bissau não lhes enviam o título de regresso a casa.
“Aqui, na cidade de Voronej, são dois, mas o total de finalistas guineenses que não pode regressar ao país é de 27”, declarou à RDP África , por telefone, o estudante guineense Iacunda Sanha.
Um bilhete de avião de Moscovo para Bissau custa cerca de 28 mil rublos (700 euros) e os finalistas não têm esse dinheiro para o pagar.
“As autoridades guineenses não pagam qualquer tipo de bolsa de estudo e nós recebemos do Estado russo um subsídio mensal de 1100 rublos (27 euros), que não dá para nada”, declarou à RDP África, via e-mail, João Conte, guineense que estuda na cidade de Rostov no Don, no sul da Rússia.
“Só alguns finalistas conseguiram sair da Rússia com a ajuda de parentes que vivem em Portugal, mas os outros são abandonados à sua sorte”, acrescentou.
Segundo João Conte, “não obstante os estudantes guineenses serem os mais miseráveis na Rússia, trabalharem como escravos, acabam os seus estudos com honra, ganham olimpíadas, provas desportivas”.
A situação descrita repete-se ano após ano, pois Bissau não toma medidas para resolver o problema.
“No fim de cada ano letivo, os finalistas guineenses têm que de abandonar o lar estudantil para dar lugar aos outros e passam a viver nas ruas, ilegalmente”, acrescenta.

5 comentários:

Anónimo disse...

A Guiné-Bissau é o verdadeiro quarto mundo. Que governo irresponsável!

Ricardo disse...

Realmente é muita irresponsabildiade!

Zuruspa disse...

E quem me pagou o bilhete de ida e volta quando fiz Erasmus (muito antes do Schengen)? Se estivesse à espera que fosse o Estado Português...

Entäo mas se já acabaram o curso, porque é que näo se metem a trabalhar na Rùssia?

Bem sei que o neonazismo(pouco) latente da sociedade russa näo ajuda a quem é mais escuro, mas algo se há-de arranjar...

Jose Milhazes disse...

Leitor Zuruspa, quando os estudantes vêm para a Rússia, o governo da Guiné-Bissau compromete-se a pagar o bilhete de ida e volta. Se o país precisa de quadros, porque é que não faz um esforço para que eles regressem?

Zuruspa disse...

Compreendi entäo o busílis da questäo.

Realmente se é o governo de um país a prescindir de pessoal qualificado, se calhar o melhor a fazer é mesmo abandonar o país...